Começa hoje, 28/04 em Brasília, o Fórum Mercado DF Criativo.

A iniciativa é do SEBRAE e o Instituto Alvorada Brasil que nesta terça, irão abrir o debate para discutir os desafios da economia criativa na perspectiva de abertura de novos mercados. As duas instituições são parceiras no projeto de pesquisa que  fará um diagnóstico das cadeias e dos arranjos produtivos locais (APL) presentes nos segmentos criativos do Distrito Federal. Durante o evento, intitulado Fórum Mercado DF Criativo, também serão entregues para os produtores culturais da cidade o site Mapa de financiamento de projetos culturais, a coletânea Mecenato Cultural no Brasil e a cartilha Projetos culturais: como elaborar, executar e prestar contas. Esses produtos são resultado da primeira parceria entre o SEBRAE e Instituto Alvorada Brasil.

A economia criativa reúne vários setores econômicos que geram bens e serviços produzidos a partir dos insumos da criatividade, diversidade e inovação. No Brasil, o Instituto de Pesquisas Econômica Aplicada (IPEA) estima que o segmento movimenta entre 1,2% e 2% do Produto Interno Bruto (PIB), empregue 2% da mão de obra e responda por 2,5 % da massa salarial.

No entanto, os dados sobre a economia criativa ainda são incipientes e os que estão disponíveis possuem uma abrangência limitada. Na busca de conhecer melhor esse segmento e propor ações para seu fortalecimento, o SEBRAE e o Instituto Alvorada Brasil realizarão um amplo diagnóstico por meio da coleta de dados secundários e da aplicação de questionários para levantar dados primários junto aos empreendedores criativos.

A antropóloga e ex-secretária de Economia Criativa do Ministério da Cultura, Cláudia Leitão, será responsável pela elaboração da metodologia da pesquisa. “Fui convidada para desenvolver uma nova metodologia, para ir buscar informações sobre os arranjos produtivos locais da área da economia criativa lá, onde eles estão acontecendo. Isto é muito importante, pois no Brasil não temos nenhuma metodologia capaz de identificar isto hoje”, afirma Cláudia Leitão. Segundo a ex-secretária, o público-alvo da pesquisa são os pequenos negócios. A primeira fase do projeto acontecerá no Distrito Federal. Na sequência serão pesquisados dados nas regiões metropolitanas de Salvador, Rio de Janeiro e Belo Horizonte.

A pesquisa analisará 22 segmentos da economia criativa e pretende inovar ao incluir a gastronomia entre eles. “Muito se discute atualmente sobre os setores que compõem a economia criativa. Ela se restringe somente à economia da cultura? As áreas de design e moda estão incluídas? Nós partimos da classificação do Sebrae e vamos procurar descobrir quem são os agentes, onde eles estão e quais são suas dificuldades para que o Sebrae possa contribuir para fomentar o empreendedorismo criativo no país”, esclarece o economista Flávio Schuch, que coordenará o projeto de pesquisa.

Durante o Fórum Mercado DF Criativo também serão entregues os produtos da primeira parceria realizada entre o SEBRAE e o Instituto Alvorada Brasil, que pesquisou sobre o tema do mecenato cultural do país. O mecenato é a forma de incentivo cultural por meio de mecanismos de renúncia fiscal. Empresas patrocinam projetos culturais e recebem, em troca, dedução de impostos. Durante um ano, um grupo de pesquisadores coordenado pelo jornalista Ronaldo de Moura buscou e sintetizou informações sobre quem são os maiores incentivadores, quais foram os projetos que receberam patrocínio e organizaram estas informações em três produtos.

O site Mapa de Financiamento de Projetos Culturais reúne informações sobre projetos executados entre setembro de 2008 e dezembro de 2013 por meio das leis de incentivo à cultura nos níveis federal, estadual e municipal. A plataforma eletrônica também fornece textos de referências e o conjunto da legislação sobre mecenato cultural no Brasil.

A cartilha Projetos Culturais: como elaborar, executar e prestar contas tratou de sanar os problemas mais comuns na execução de projetos identificados pela pesquisa. “Este produto não é novidade no mercado, mas o fato de focar na prestação de contas é inovador. Temos um grande número de agentes culturais que ficam inabilitados para serem financiados novamente por não saberem fazer a prestação de contas do projeto de maneira correta e esta cartilha vem para auxiliar justo neste ponto”, conta Ronaldo de Moura, coordenador da pesquisa e diretor do Instituto Alvorada Brasil. A cartilha foi desenvolvida com base na metodologia de Ensino a Distância, com muitas imagens e exercícios propostos, para torná-la mais didática.

Outro produto que será entregue durante o Fórum é o catálogo Mecenato Cultural no Brasil. Nele, o agente cultural pode encontrar rankings construídos a partir das mais diversas informações sintetizadas pela pesquisa. É possível, por exemplo, saber quem foram os maiores patrocinadores nas diversas linguagens culturais, em número de projetos, em valores e distribuição por região geográfica.

O Fórum Mercado DF Criativo ocorre no próximo dia 28 de abril, na Universidade Corporativa do SEBRAE e contará com a participação da profª Cláudia Leitão, do secretário do Cultura do Distrito Federal, Guilherme Reis, do coordenador da pesquisa Panorama da Economia Criativa no Brasil realizada pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), João Maria de Oliveira, e da gerente adjunta da Unidade de Serviços do Sebrae Nacional, Ana Clevia Guerrero. Os participantes receberão certificado emitido pelo SEBRAE e pelo Instituto Alvorada Brasil. Interessados em participar devem se inscrever pelo site www.df.sebrae.com.br ou por telefone no número: 0800 570 0800. Vagas limitadas.

Serviço: Fórum Mercado DF Criativo
Data: 28 de abril (terça) às 17:30.
Local: Universidade corporativa do SEBRAE Nacional (CLN 515 Bloco C Loja 32)
Entrada franca mediante inscrição. Podem ser feitas pelo site www.df.sebrae.com.br ou pelo telefone 0800 570 0800.