De 07 a 09 de agosto, na Praia da Pipa/Tibau do Sul-RN, acontece o V Festival Literário da Pipa, na Rua Praia dos Golfinhos s/n, com entrada franca.

07/08 quinta-feira

Caminhão da BiblioSesc estaciona no Flipipa

۞Área Externa – 8h30 às 12h/13h30 às 21h
BiblioSesc — Biblioteca móvel do Sesc, montada sobre um caminhão e equipada com mais de 3 mil livros. Espaço de leitura no local e empréstimos de livros durante os três dias de atividade do Festival.

Espaço Livros – Estandes das editoras Queima Bucha, Cooperativa Cultural Universitária – UFRN, Sebo Vermelho e Vitrine Livros Sebrae.

Editoras como a Cooperativa Cultural estarão
no Espaço Livros

Culinária – Unidade móvel da SESI – Cozinha Brasil.

۞Espaço FLIPIPA/SESI – Das 09h às 12h

Oficina de Produção de livretos com Mariana Flor, para estudantes de escolas públicas

Andarilhos do Coração, da Cia Ventura, é inspirado em
texto de Ariano Suassuna

۞ Tenda dos Autores – FLIPIPA/SESC – 9h

Apresentação da peça “Andarilhos do Coração” — Adaptação da Cia Cênica Ventura, com direção de Lindemberg Farias, para o texto teatral de Ariano Suassuna “Torturas de um coração ou Em Boca fechada não entra mosquito”, escrito em 1951. A encenação mistura técnicas circenses, com os atores interpretando seus personagens em cima de pernas de pau.

A música é interpretada ao vivo com canções especialmente criadas para o espetáculo, sob direção musical de Caio Padilha, uma espécie de opereta- comedia- popular.

Ação de Leitura com o escritor José de Castro

Escrito originalmente para o teatro de bonecos, a peça ganha atores de verdade que dão vida a personagens como esperto negro Benedito, o valente Vicentão, o bonitão Afonso Gostoso e a bela Marieta, a mulher mais cobiçada da cidade. (Faixa  etária: Livre)

۞ Tenda dos Autores – FLIPIPA/SESC – 10h
Contação de histórias com o poeta e professor José Acaci (Público-alvo: estudantes de escolas públicas)

۞ Tenda dos Autores – FLIPIPA/SESC – 10h30
Ação de Incentivo à Leitura com autores convidados Salizete Freire e José de Castro

Escritores ligados à literatura infanto-juvenil conversam sobre criação literária e diversas histórias que permeiam o mundo da leitura, o prazer de ler e as aventuras e conhecimentos que esta proporciona. Conta com um mediador do bate-papo, proporcionando a interação da plateia com o escritor palestrante.

۞ Tenda dos Autores – FLIPIPA/SESC – 14h
Reapresentação de “Andarilhos do Coração” – Adaptação da Cia. Cênica Ventura, com direção de Lindemberg Farias, para o texto teatral de Ariano Suassuna “Torturas de um coração ou Em Boca fechada não entra mosquito”.

۞ Tenda dos Autores – FLIPIPA/SESC – 15h
Contação de histórias com o poeta e professor José Acaci

۞ Tenda dos Autores – FLIPIPA/SESC – 15h30
Ação de Incentivo à Leitura com autores convidados Salizete Freire e José de Castro

۞Espaço FLIPIPA/SESI – 15h às 16h

Contação de Histórias

Paulistano Pedro Tostes conversa sobre poesia
na Roda de Prosa do Sesi Flipipa

۞Espaço FLIPIPA/Sesi – 17h às 18h30
Roda de Prosa com Regina Azevedo, Carito Cavalcanti e Pedro Tostes (SP)
Tema: “Poesia”. Convidados debatem produção poética(Local? Brasileira?), obras comentadas e processos de escrita. Lançamento de livro de Pedro Tostes (SP)

۞ Tenda dos Autores /Debates – 19h30

Mesa 1: “João Ubaldo Ribeiro, Mestre da Palavra”

Poeta, litrista e escritor Abel Silva relembra
o Mestre Ubaldo Ribeiro

Com Abel Silva, Vicente Serejo e Margarida Seabra Letrista, poeta, escritor, Abel Silva também teve o privilégio de conviver com o escritor João Ubaldo Ribeiro (1941-2014).

Para o compositor, João Ubaldo Ribeiro vem de uma linhagem de escritores brasileiros ligados à tradição e ao conhecimento da fala e da mitologia popular. Homem de cultura sofisticadíssima, tradutor de Shakespeare, Ubaldo era profundo conhecedor da literatura brasileira. E, com tudo isso, era também muito modesto: “Era poliglota e jamais o vi usar expressões em inglês ou alemão, por exemplo, línguas nas quais era fluente”, conta Abel Silva. Essas e muitas outras histórias serão lembradas por ele, com participação de amigos e leitores como Vicente Serejo e Margarida Seabra.

Abel Ferreira da Silva (Cabo Frio, 1945) formou-se em Letras pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Foi professor de Literatura Brasileira na UFRJ e na PUC-Rio durante toda a década de 1970, atuando, também, como editor de cultura do jornal “Opinião”. Em 1975, lançou, com Capinan, a revista cultural “Anima”. Enveredou-se pela poesia e, no auge da repressão militar, em 1971, lança o romance ‘O Afogado’. Em 74 publica o livro de contos ‘Açougue das Almas’ e em 79 seu primeiro livro de poesias, intitulado ‘Asas’. Sua carreira de compositor começou por acaso.

De sua amizade com Raimundo Fagner surgiu a primeira parceria, ‘Bodas de Sangue’ e depois ‘Asa Partida’. Já como poeta-letrista, Abel marcou presença junto a outros compositores e intérpretes nordestinos, como João do Vale, Sueli Costa, Luiz Gonzaga, Dominguinhos, Marinês, Robertinho do Recife, Amelinha e Morais Moreira. Dessas parcerias vieram obras-primas da MPB como Jura Secreta, Festa do Interior, Raio de Luz.

Serejo falará sobre personagens da obra de João Ubaldo

Vicente Serejo (Macau, RN, 1951). Reconhecido como um dos grandes cronistas do jornalismo potiguar, formou-se em Jornalismo pela UFRN e foi professor do curso de Comunicação Social. No Diário de Natal foi repórter e, nos anos 1970, estreou a coluna “Cena Urbana”, de publicação diária, onde escrevia crônicas. Algumas foram reunidas em seu primeiro livro “Cena Urbana” (Editora da UFRN, 1982).

Em 1984, transformou um veraneio na praia da Redinha em fonte de inspiração para escrever uma série de cartas endereçadas ao ‘Sr Editor’. Em narrativas de alto teor lírico, redescobre suas tradições, costumes, resgatando tipos humanos e acontecimentos do cotidiano. Trabalhou no jornal A Gazeta do Oeste. Nos anos 90 estreou como colunista do Jornal de Hoje, onde mantém até hoje a coluna “Cena Urbana”. Publicou também “Canção da Noite Lilás – Crônicas” (Lidador, 2000).

Amiga de João Ubaldo, Margarida Seabra relembrará
passagem do escritor por Natal

Margarida Seabra é Advogada, com atuações da área do direito civil, tributário e administrativo. Atuou como Promotora de Justiça na área da Pessoa com Deficiência, entre outros cargos. Amiga de longa data de João Ubaldo Ribeiro, Margarida e sua família inspiraram “Do poder da arte e da palavra”, conto publicado em 1981 no “Livro de Histórias” – obra reeditada dez anos depois sob o título “Já podeis da pátria filhos”.

Na intimidade, o escritor baiano era a pessoa “mais divertida do mundo, uma pessoa diferente de todas que já conheceu”, destaca Margarida.

۞ Tenda dos Autores – 20h30

Mesa 2: “Toda poesia em Paulo Leminski”

José Miguel Wisnik e a poesia de Paulo Meminski

Com José Miguel Wisnik e  Mário Ivo Cavalcanti

Mário Ivo Cavalcanti (e) volta ao Flipipa para mediar
mesa sobre Leminski

“Paulo Leminski sempre foi ágil como um judoca no trato com as ideias e com as palavras. A relação que tinha com as artes marciais (o poeta foi Faixa-preta no Judô), mas também com a concisão oriental, que ele praticou na sua aclimatação brasileira do hai-kai, com a poesia concreta e com a voga libertária da contracultura dos anos 1970, assim como sua experiência como publicitário, tudo isso contribuiu para a recepção atual da sua poesia.

Foi parceiro musical de Caetano Veloso e de Itamar Assumpção, entre outros. Autor do posfácio de “Toda Poesia” (Companhia das Letras em 2013), obra considerada um fenômeno de vendas para os padrões de títulos do gênero, José Miguel Wisnik abordará a presença da obra de Leminski entre as novas gerações, mas também o “folclore digital”, que atribui erroneamente, ao poeta curitibano, textos e frases banais.

Professor de Literatura Brasileira na USP, José Miguel Wisnik estudou piano clássico antes de optar pelas Letras. Com quase uma dezena de livros lançados e quatro discos gravados, coleciona parcerias musicais com Tom Zé, Ná Ozetti, Jorge Mautner, Caetano Veloso e o próprio Leminski, com quem criou “Polonaise” e “Subir mais”. José Miguel também assinou a direção musical do álbum “Do cóccix até o pescoço” que marcou a volta de Elza Soares aos holofotes. Publicou Movimento Modernista e, em O Som e o Sentido, O coro dos contrários – a música em torno da Semana de 22 (Duas Cidades.) É estudioso do legado de Oswald de Andrade e Machado de Assis.

Mário Ivo Dantas Cavalcanti é jornalista há 25 anos. Trabalhou na revista semanal “Extra”, publicação do jornal “Il Manifesto”, em Roma Itália, na década de 1990. Entre 2007 e 2009, manteve uma coluna diária no “JH 1ª edição”. É editor da revista “Preá”, da Fundação José Augusto, desde 2011. Como escritor lançou “Cartas náuticas” (Editora Flor do Sal, 2008), um romance epistolar no qual um remetente desconhecido, M, envia cartas de amor a uma pessoa também sem nome, da qual não conhecemos as respostas enviadas. Tem trabalhos premiados nas áreas de publicidade, vídeo e literatura, inclusive internacionais.

08/08 sexta–feira

۞Área Externa – 8h30 às 12h/13h30 às 21h
BiblioSesc — Biblioteca móvel do Sesc, montada sobre um caminhão e equipada com mais de 3 mil livros. Espaço de leitura no local e empréstimos de livros durante os três dias de atividade do Festival.

۞ Tenda dos Autores – FLIPIPA/SESC – 9h

Bangular, do Ballet da Cidade do Natal, é inspirado na obra cascudiana “Histórias dos nossos gestos”

Ballet da Cidade do Natal apresenta “Bangular”

Espetáculo do Ballet da Cidade do Natal assinado pelo coreógrafo Mário Nascimento (SP/MG), que mergulha na obra do historiador e etnógrafo Luís da Câmara Cascudo, baseado no livro “Histórias dos nossos gestos”, no qual o autor se refere ao termo ‘Bangular’ como um vagar a esmo, sem rumo. A trilha sonora é composta por vários poemas musicalisados de autores potiguares: Câmara Cascudo (“Lundu de Collen Moore” – Gereba Barreto/Virgínia Rosa; “Brouhaha” – José Midlin, Raimundo Fagner e Alceu Valença; “Maria Luiz” – Raimundo Fagner). José Bezerra Gomes (Marido e Mulher –Cid Campos/Leonora Barros); “Abaixo a” Moacy Cirne – Marcelo Brissac, “I hear america singing” de Walt Whitman tradução de Câmara Cascudo com Cid Campos e José Celso Martinez Corrêa. Bianca Maggi, Walter Franco, Dácio Galvão, João Gualberto Aguiar, Diva Cunha, Jorge Fernandes, Tetê Espindolar, Augusto de Campos, etc.

Emanoel Amaral ministra oficina de xilogravura

۞Espaço FLIPIPA/SESI – 9h às 12h
Oficina de Xilogravura com o desenhista Emanuel Amaral para estudantes de escolas públicas

۞ Tenda dos Autores – FLIPIPA/SESC – 10h
Ação de Incentivo à Leitura com autores convidados Juliano Souza e Michelle Ferret.

۞ Tenda dos Autores – FLIPIPA/SESC – 14h às 16h
Reapresentação do espetáculo Bangular, do Ballet da Cidade do Natal. Ação de Incentivo à Leitura com autores convidados,com Juliano Souza e Michelle Ferret.

Carlos Fialho debate a Prosa no espaço Flipipa Sesi

۞Espaço FLIPIPA/SESI – 15h às 16h/17h às 18h30

Contação de Histórias

Roda de Prosa com os escritores Pablo Capistrano, Carlos Fialho e Leonardo Barros.
Escritores convidados pelo Solar BelaVista debatem a “prosa” – produção literária, obras comentadas e processos de escrita.
Lançamento do livro de Pablo Capistrano e Carlos Fialho.

۞ Tenda dos Autores – 19h

Mesa 3:  “Literatura e resistência”

Ricardo Chacal, a poesia e a resistência

Com Ricardo Chacal e Alexandre Alves

Ricardo de Carvalho Duarte, mais conhecido como Chacal, nasceu no Rio de Janeiro em 1951. Publicou seu primeiro livro de poesia “Muito Prazer, Ricardo”, em 1971, feito com mimeógrafo. Expoente da chamada poesia marginal, ao lado de escritores como Francisco Alvim e Cacaso, teve textos nas históricas publicações “26 poetas hoje”, de Heloisa Buarque de Hollanda, e “Navilouca”, de Waly Salomão e Torquato Neto. Escreveu teatro para o grupo Asdrúbal Trouxe o Trombone, crônicas para o Jornal do Brasil e Folha de S.Paulo, roteiros na TV Globo e dezenas de letras de música para grupos como Blitz, Lulu Santos, 14 Bis, Fernanda Abreu, Morais Moreira, entre outros. Autor de mais de dez livros de poemas, lançou recentemente a coletânea Belvedere, reunindo toda sua obra poética. O encontro literário integra o debate da Revista Palavra, do SESC.

Alexandre Alves, Professor de Literatura da UERN, doutor pela UFRN com a tese “Poesia submersa: poetas e poemas no Rio Grande do Norte 1900-1990” e graduado em Língua inglesa. Estudioso da obra de Zila Mamede, em 2013 traduziu para o inglês o famoso livro de poemas “Rosa de Pedra” (“The Stone Rose”), da poetisa, pela editora Queima Bucha. A obra foi publicada em edição bilíngue. Alexandre também publicou “Silêncio, Mar – A poesia de Zila Mamede os anos 50” (Editora Sebo Vermelho) e estudos sobre Auta de Souza e Câmara Cascudo (Guia Literatura UFRN, 2011/2012, Editora Sol). Nos anos 90, comandou o selo musical indie Solaris Records.

۞ Tenda dos Autores – 20h

Mesa 4: “A Saga dos Lacerda: Do fim do Império a Era Vargas”

Rodrigo Lacerda é historiador e neto do político
e jornalista Carlos Lacerda

Com Rodrigo Lacerda, Ticiano Duarte e Diógenes Dantas

Neto do político Carlos Lacerda, o escritor e historiador Rodrigo Lacerda falará sobre seu livro “República das Abelhas”, obra que descreve o percurso familiar de três gerações de políticos: do abolicionista Sebastião Lacerda; dos filhos Maurício, Fernando e Paulo; e do neto, Carlos Lacerda (seu avô). Considerado um dos políticos mais controversos da história do Brasil, Carlos Lacerda foi para uns o salvador da pátria, para outros, não passou de um reacionário feroz. Pai, tios e avô tiveram participação igualmente decisiva nos principais lances da política brasileira, da Primeira República ao suicídio de Getúlio Vargas, em 1954. Uma saga familiar que se confunde com a própria saga brasileira, da cultura política do país, sobre os rumos que o país tomou e que influenciam nossa vida até hoje. Rodrigo é formado em História pela USP. Seu primeiro livro, O mistério do Leão Rampante, foi publicado em 1995, pela Atelier Editorial. A obra foi uma das ganhadoras do Prêmio Jabuti em 1996, mesmo ano em que o autor lançou seu segundo romance, A Dinâmica das Larvas: Comédia Trágico-Farsesca.

Ticiano Duarte debate biografia A República das Abelhas

Ticiano Duarte – Professor aposentado pela UFRN, onde atuou no Departamento de Comunicação Social, é jornalista, advogado e escritor, também membro da Academia norte-riograndense de Letras. Lançou em 2011 “No Chão dos Perrés e Pelabuchos“, livro que reúne seus artigos publicados na Tribuna do Norte e onde são contados episódios da história política do Rio Grande do Norte, dos anos trinta até os tempos atuais.

Ticiano escreve em jornal há mais de 60 anos, estreando no oficio aos 19 na redação do jornal A República, fundada por Pedro Velho e dirigida por Manoel Dantas e Eloy de Souza.

Diógenes Dantas será mediador
em mesa sobre trajetória
da família Lacerda

Diógenes Dantas – Com mais de 30 anos de carreira dedicada ao jornalismo político, é editor geral do portal de notícias Nominuto.com e apresentador do Jornal 96 FM e da Tv Band em Natal. Trabalhou em veículos como Tribuna do Norte, Diário de Natal, Tv Tropical, Tv Ponta Negra e SBT Brasília. É diretor da TV Assembleia.

۞ Tenda dos Autores – 21h

Mesa 5: “Marighella e a batalha das biografias não autorizadas”

Escritor e jornalista Mário Magalhães falará sobre biografia de
Marighella no contexto literário atual

Com Mário Magalhães e Cassiano Arruda

Cassiano Arruda será o interlocutor da mesa sobre Marighella
e a batalha das biografias não autorizadas

A vida de Carlos Marighella (1911-1969) foi tão frenética quanto surpreendente. Militante comunista desde a juventude, deputado federal constituinte e fundador do maior grupo armado de oposição à ditadura militar – a Ação Libertadora Nacional -, esse mulato de Salvador era também um profícuo poeta, homem irreverente e brincalhão. Foi homenageado no CD “Abraçaço” com um longo poema por Caetano Veloso.

Nesta biografia, o jornalista e escritor Mário Magalhães investiga as muitas facetas do biografado e apresenta uma narrativa repleta de revelações. Em ritmo de thriller, reconstitui com realismo desconcertante passagens pela prisão, resistência à tortura, operações de espionagem na Guerra Fria e assaltos da guerrilha a bancos, carros-fortes e trem-pagador. Mário nasceu no Rio de Janeiro, em abril de 1964. Formou-se em jornalismo na Escola de Comunicação da UFRJ.

Trabalhou nos jornais Tribuna da Imprensa, O Globo, O Estado de S. Paulo e Folha de S.Paulo, no qual foi repórter especial, colunista e ombudsman. Recebeu cerca de vinte prêmios e menções honrosas no Brasil e no exterior, entre os quais o Every Human Has Rights Media Awards, o Prêmio Vladimir Herzog, o Prêmio Dom Hélder Câmara e o Prêmio Esso de Jornalismo.

Cassiano Arruda – Jornalista potiguar. Diretor do Novo Jornal, foi professor do Curso de Comunicação Social da UFRN, e também atuou na área de propaganda, sendo um dos fundadores da Dumbo. É titular da coluna Roda Viva há mais de 30 anos, publicada primeiro no Diário de Natal e depois no Novo Jornal. Foi também diretor da Tribuna do Norte nos anos 1960. Escreveu dois livros de memórias: Repórter na Roda Viva, sobre sua vida de redator, e Hotel de Trânsito, que contextualiza a Natal de 1969, o jornalismo da província no período da Ditadura e sua prisão no hotel de trânsito da Aeronáutica

09/08, sábado

۞Área Externa – 8h30 às 12h/13h30 às 21h

Livreiro e educador Gelson Bini
realizará oficina para professores

BiblioSesc — Biblioteca móvel do Sesc, montada sobre um caminhão e equipada com mais de 3 mil livros. Espaço de leitura no local e empréstimos de livros durante os três dias de atividade do Festival.
Grupo Sesc Dramaturgia: “Poema ao Pé do Ouvido” e Assalto Poético” com poemas de João Gualberto Aguiar, Manoel Fernandes Voluntè…

۞ Tenda dos Autores – FLIPIPA/SESC – 9h às 12h
Oficina de formação guia de leitura para mediadores, com Gelson Bini

Professor, livreiro, Gelson Bini é mediador de leitura e debates literários há mais de 10 anos. Público Alvo: Professores, estudantes, bibliotecários, auxiliares de biblioteca, contadores de história  e demais interessados.  Objetivo é fomentar e aprimorar o gosto pela leitura e o conhecimento da literatura em mediadores de leitura.   Propor ações de leitura para jovens leitores, divulgar a literatura, (dos clássicos aos contemporâneos).

۞Espaço FLIPIPA/SESI – 9h às 12h

Clotilde Tavares participa de Roda de Prosa
sobre literatura de cordel

Oficina de Literatura de Cordel com a escritora Clotilde Tavares, para estudantes de escolas públicas

۞Tenda dos Autores – FLIPIPA/SESC – 10h e 15h
Contação de histórias com Avalmar Medeiros

۞Espaço FLIPIPA/ SESI – 17h às 18h30

Roda de Prosa com Clotilde Tavares e Rodrigo Bico
Tema: Literatura de Cordel. Leitura de cordéis com o ator Rodrigo Bico e selecionados pela escritora

۞ Tenda dos Autores – 19h

Mesa 6 : “Fala Poeta”

José Carlos Capinan participa de bate-papo poético musical

Com José Carlos Capinan, Gereba Barreto, Abmael Silva

José Carlos Capinan é considerado um dos grandes letristas de sua geração, tendo participado ativamente do movimento tropicalista no fim da década de 60. Amigo de Caetano Veloso e Gilberto Gil desde a época da faculdade em Salvador, onde cursou Direito e depois Medicina. Inicia carreira literária com “Inquisitorial”, seu primeiro livro de poesia. Participa do primeiro disco de Gilberto Gil, em 1966, dividindo a parceria na faixa “Viramundo”. No mesmo ano, sua música “Canção para Maria”, defendida e composta em parceria com Paulinho da Viola, é um dos destaques do II Festival de Música da Record. Em seguida vence, com Edu Lobo, o Festival da Record de 1967, com a canção “Ponteio”. Volta a se aproximar de seus conterrâneos – compõe com Gil o clássico “Soy Loco por Ti, América”, e integra o histórico disco “Tropicália” (68), ao lado de Caetano, Gil, Mutantes, Gal Costa, Tom Zé, Rogério Duprat e Torquato Neto. Como Jards Macalé compôs  “Gotham City , Fagner (em “Como se Fosse”) e Geraldo Azevedo (em “For All Para Todos”). Em 2000, compôs a ópera “Rei Brasil 500 Anos” ao lado de Fernando Cerqueira e Paulo Dourado.

Poeta, instrumentista e compositor
Gereba Barreto

Gereba Barreto – Músico, compositor e pesquisador da Cultura Popular Brasileira, nascido em Monte Santo, Bahia, em 1946.  Realizou importantes projetos para a MPB como instrumentista, compositor, arranjador e produtor cultural. Grandes intérpretes como Elizeth Cardoso, Beth Carvalho, Fagner, Amelinha, Leon Gieco (Argentina), o guitarrista Folkan Crieg (Alemanha), entre outros, gravaram suas composições.

Com o Grupo Bendegó de 73 a 86, lançou 4 discos, com carreira solo gravou: Tom Zé e Gereba-1990; Gereba convida, com Cássia Eller, Na Ozzetti e outros- 1993;Canudos-1997; Forró da baronesa-2000; Canções que vêm do sol-2001; Sertão- 2002 com Dominguinhos; Dom Quixote,xote,xote (2008).

Abimael Silva, do Sebo Vermelho

Abmael Silva – “Único sebista no Brasil que é também editor de livros”, como ele mesmo diz, Abimael Silva é também um livreiro dedicado, proprietário da livraria e editora Sebo Vermelho, um dos mais conhecidos pontos do meio literário norte-riograndense. São mais de 20 anos dedicados à venda, compra e troca de livros usados, sendo reconhecido em todo o País. Já publicou mais de 200 títulos sobre o Nordeste. Em seu recanto literário localizado na avenida Rio Branco, centro de Natal, já recebeu gerações de leitores, estudantes e intelectuais de vários lugares.

۞ Tenda dos Autores – 20h30

Mesa 7 : “A História nasce de outra história”

Nélida Piñon e a história por trás dos livros

Com Nélida Piñon, Woden Madruga e Marize Castro

A escritora e imortal da Academia Brasileira de Letras Nélida Piñon nasceu no Rio de Janeiro em 1937, filha de pais espanhóis. É jornalista, e também foi editora e membro do conselho editorial de várias revistas no Brasil e exterior. Eleita em 1996 a presidente da ABL, primeira mulher a ocupar esse cargo. Seu primeiro romance, “Guia-mapa de Gabriel Arcanjo”, foi publicado em 1961. Em 1973 recebe o APCA por “A Casa da Paixão”.

Sua obra já foi traduzida e premiada em vários países. O mais recente foi o Prêmio Príncipe de Astúrias das Letras, de 2005, conferido na cidade espanhola de Oviedo – na ocasião ela concorreu com autores renomados e populares internacionalmente como Philip Roth, Paul Auster e Amos Oz. Escreveu contos, romances, ensaios, literatura infanto-juvenil e crônicas.

Woden Madruga

Woden Madruga – Jornalista e cronista norte-rio-grandense, em atividade há mais de 40 anos. Desde os anos 1960 escreve diariamente na coluna WM, página 2 do jornal Tribuna do Norte sobre literatura, memórias, cotidiano e política. Foi presidente da Fundação José Augusto por três vezes e professor do curso de Comunicação Social da UFRN.

Marize Castro

Marize Castro – Poetisa, jornalista, editora, nasceu em Natal-RN, em 1962. Uma das fortes vozes femininas da poesia contemporânea, Marize revelou-se em livro em 1984, com a publicação de Marrons Crepons Marfins. Nove anos depois publicou Rito (1993), seguido de Poço. Festim. Mosaico (1996), Esperado Ouro (2005), Lábios-espelhos (2009) e Habitar teu nome (2011).

Em 2008, publicou o livro Além do nome, resultado de entrevistas publicadas no jornal Tribuna do Norte com inúmeros poetas e escritores, editado pela Coleção Letras Natalenses (Funcarte) em parceria com a Una. Em 2011, lançou O silencioso exercício de semear bibliotecas, fruto do mestrado em Educação na UFRN sobre o trabalho que a poeta e bibliotecária Zila Mamede realizou nos anos 1960.

۞ Tenda dos Autores – 21h30

Toque Armorial para Ariano Suassuna com Orquestra Sanfônica do Museu do Vaqueiro:

As sanfonas irão homenagear o Movimento Armorial criado por Ariano nos anos 1970 através de peças instrumentais do repertório do Quinteto Armorial. O repertório incluirá “Romance de Minervina”, “Do Romance ao Martelo”, “Romance da Nau Catarineta”, “Ponteio Acutilado” e “Martelo Agalopado” (Poema de Ariano Suassuna). balanço das quatro primeiras edições, fica fácil entender essa afirmação