MTur participa de reunião de Comitê da OCDE na França

0
Joaquim Oliveira Martins da OCDE e secretário nacional e Estruturação do Turismo do MTur, Totó Parente (ao centro), com Rafael Luisi e Camila Tiussú, da Assessoria de Relações Internacionais do MTur). Foto: Divulgação MTur

Grupo avalia políticas públicas de turismo e aponta caminhos para acelerar desenvolvimento global do segmento

Por André Martins

Impactos de novas tecnologias sobre micro e pequenas empresas, tendências do mercado mundial de viagens e iniciativas voltadas ao crescimento sustentável e inclusivo do setor. Estes foram alguns assuntos tratados durante a 102ª Sessão do Comitê de Turismo da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), iniciada nesta terça-feira (30) em Paris, na França, e que conta com a participação de representantes do Ministério do Turismo brasileiro.

O Comitê, presidido desde 2017 por Portugal, monitora mudanças no ramo, fornecendo estudos sobre desafios e soluções. Presente ao encontro, o secretário nacional de Estruturação do Turismo do MTur, Totó Parente, ressalta que a troca de experiências favorece avanços. “Este encontro é fundamental para relacionamentos. Queremos participar mais das discussões, inclusive passando de país convidado a participante da OCDE, e tivemos a garantia de apoio da entidade nesta aproximação”, relata.

O Brasil, que oficializou seu pedido de adesão à Organização em maio de 2017, coopera com a entidade desde o início da década de 1990. A partir de 2007, a OCDE decidiu estreitar laços junto a cinco países emergentes, que incluem, além do Brasil, África do Sul, China, Índia e Indonésia, os chamados Key Partners. Tal status equivale a uma pré-qualificação no processo de inclusão no grupo, do qual, entre países da América Latina, Chile e México já fazem parte.

O chefe da Assessoria Especial de Relações Internacionais do MTur, Rafael Luisi, que também acompanha a reunião na capital francesa, aponta ganhos da aproximação. “A OCDE trata mais da parte econômica e tem um papel fundamental na continuidade de políticas públicas. Como o Brasil trabalha para superar dificuldades, é importante que a gente conte com a experiência de países economicamente fortes, como Estados Unidos e Austrália, e que também são grandes no turismo”, observa.

A OCDE, fundada em 1948 como Organização para a Cooperação Econômica (OECE), reúne 35 países, a maioria com elevado desenvolvimento. São eles: Alemanha, Áustria, Austrália, Bélgica, Canadá, Chile, Coreia do Sul, Dinamarca, Eslováquia, Eslovênia, Espanha, Estados Unidos, Estônia, França, Finlândia, Grécia, Holanda, Hungria, Irlanda, Islândia, Israel, Itália, Japão, Letônia, Luxemburgo, México, Noruega, Nova Zelândia, Polônia, Portugal, República Tcheca, Reino Unido, Suécia, Suíça e Turquia.

PARCERIA – Um estudo deste ano da OCDE recomenda ao Brasil integrar micro e pequenas empresas às políticas de turismo. Neste sentido, um convênio entre MTur, Embratur e Sebrae auxilia o segmento a assimilar inovações. A cooperação, que envolve recursos da ordem de R$ 200 milhões, busca elevar a competitividade do segmento. Com validade inicial de dois anos, a ideia é promover a diversificação da oferta turística, a qualificação de produtos e serviços e a divulgação de destinos, entre outras ações.

Reunião da OCDE reúne representantes de 35 países. Foto: Divulgação MTur