MTur formaliza Grupo de Turismo Cinematográfico

0
São Miguel do Gostoso (RN), um dos destinos com crescente atenção ao segmento, realiza 5º Festival de Cinema de 23 e 27 de novembro - Foto: Divulgação: Prefeitura de São Miguel do Gostoso (RN)

Portaria publicada no Diário Oficial da União institui colegiado técnico que visa desenvolver competitividade do segmento

Por Geraldo Gurgel

O Ministério do Turismo formalizou na quinta-feira (1º) a criação do Grupo de Trabalho de Turismo Cinematográfico (GTT), de acordo com a portaria nº 162 publicada no Diário Oficial da União. O GTT nasce com o objetivo de propor políticas e planejar ações para o desenvolvimento do segmento, impulsionando o turismo nos destinos nacionais e a economia criativa relacionada a esse nicho de mercado. Focado no apoio à promoção de destinos turísticos brasileiros por meio de produções audiovisuais, o colegiado técnico e consultivo se reunirá a cada três meses.

“Na tela do cinema, na televisão ou mesmo no computador, os cenários das produções audiovisuais têm o poder de estimular o espectador a conhecer destinos ainda desconhecidos ou ampliar a divulgação e promoção de atrativos históricos, culturais e naturais, exibidos dentro e fora do Brasil. Esse trabalho amplia a economia criativa, além dos ganhos do turismo através da divulgação espontânea dos destinos”, destaca o ministro do Turismo, Vinicius Lummertz, que assinou a portaria instituindo o grupo de trabalho.

A coordenação do grupo ficará a cargo da diretora do Departamento de Marketing e Apoio à Comercialização do Ministério do Turismo, Vanessa Chaves de Mendonça. Ela explica que, com a formalização dos indicados, o GTT terá 60 dias para elaborar um plano de trabalho que servirá como instrumento de direcionamento das atividades.

“A ideia do grupo é trabalhar para ampliar as locações do cinema nacional em cenários que promovam tanto os tradicionais como também os novos destinos turísticos, além de atrair produções internacionais para filmagens no Brasil que divulguem o país lá fora”, complementa Vanessa.

Cidades como São Paulo e Rio de Janeiro, que têm “Film Comission” estruturadas, contabilizam resultados positivos com locações de filmes, programas de televisão e vídeos publicitários. Em 2017, por exemplo, São Paulo autorizou 3.300 locações envolvendo mais de 1.100 produções audiovisuais. Os dados dos últimos dois anos indicam a geração de 50 mil postos de trabalho e gastos da ordem de R$ 1 bilhão declarados pelas produtoras que trabalharam com locações na capital paulista.

MEMBROS – O GTT de Turismo Cinematográfico é composto por representantes dos seguintes órgãos e entidades: Ministério do Turismo (MTur); Ministério da Cultura (MinC); Instituto Brasileiro de Turismo (EMBRATUR); Agência Nacional do Cinema (ANCINE); Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil); Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN); Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae); Rede Brasileira de Film Commissions (REBRAFIC); Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM); e a Associação Brasileira de Produtores Independentes de Televisão (Brasil Audiovisual Independente, a BRAVI). A Bravi representa 650 produtoras de todas as regiões do Brasil, que em 2017 foram responsáveis pela produção de 200 filmes nacionais e geraram 110 mil empregos.

Ascom MTur