A tecnologia deu um grande impulso aos exploradores que desejam contemplar destinos turísticos do alto. Seja a bordo de aviões ou helicópteros, na cabine de balões ou em voos livres, já existe uma série de opções para quem deseja sobrevoar cachoeiras, contemplar serras e praias paradisíacas. Sobrevoar destinos e atrações é a nova aposta do mercado, atividade que proporciona experiências únicas para encantar o visitante. Abaixo, sete regiões e pontos turísticos para “tirar o pé do chão”.

Vista aérea das dunas e manguezais de Fortaleza (CE): A partir de Fortaleza é possível fazer um passeio de helicóptero e sobrevoar dunas de mais de 30 metros, falésias de areias coloridas e observar o vaivém bucólico das pequenas jangadas no mar. O voo mais barato sobrevoa o maior parque aquático do país e custa R$ 150 por pessoa.

Cataratas de helicóptero (PR): Em voos panorâmicos é possível sobrevoar o parque nacional e contemplar as Cataratas do Iguaçu. Os passeios mais demorados (30 minutos) incluem a Usina de Itaipu e o marco das Três Fronteiras – e podem chegar a R$ 1.000 por pessoa. Os mais simples custam a partir de R$ 350 por pessoa e permitem avistar a paisagem por cerca de 10 minutos A aeronave sai da Avenida Cataratas.

Sobrevoo pelas montanhas de Santo Antônio do Pinhal (SP): É preciso coragem, mas a paisagem compensa, afirmam os adeptos do voo livre. A melhor forma de percorrer as belas montanhas da Serra da Mantiqueira é de parapente, uma modalidade que mistura asa-delta e paraquedas. O voo sai do Pico Agudo, que tem 1,7 mil metros de altitude, com instrutor, e sobrevoa cidades como São José dos Campos, Pindamonhangaba e Aparecida. O passeio custa R$ 300 e dura cerca de 20 minutos.

Sertão cearense de parapente (CE): A Serra de Tianguá, região montanhosa que divide os estados do Ceará e Piauí, é salteada por cachoeiras, pode ser apreciada em voo de parapente. O pacote oferece transporte de volta à cidade de Tianguá e um arquivo em vídeo do voo. O custo do serviço é de R$ 170 para voos com instrutor – e podem ser realizados no inverno e no verão. O pouso é feito em pleno no sertão.

De asa delta pela floresta da Tijuca: A Pedra Bonita, com quase 600 metros de altitude, é um ponto turístico carioca localizado no Parque Nacional da Tijuca. De lá os turistas podem observar a Pedra Gávea, de onde começa o voo, o morro dos Dois Irmãos, as praias de Ipanema e Leblon e até o Corcovado. O pouso é feito na Praia, em São Conrado. A decolagem depende das condições climáticas.

De balão por São Pedro (SP): As paisagens naturais do interior de São Paulo atraem turistas de diversas partes do país. Recortada por rios como o Piracicaba, cadeias de montanhas, campos e animais silvestres, é possível contemplar tudo do alto, de um voo de balão. O embarque dos passageiros é feito em São Pedro. O passeio custa em média R$ 300,00 e tem duração de uma hora.

Um rasante por Arraial d’Ajuda (BA): De parapente, ao custo médio de R$ 150, o viajante pode experimentar um passeio de cerca de 20 minutos pelas falésias coloridas, praias semi-desertas e tartarugas que costumam visitar o local. Antes do passeio o visitante recebe rápidas instruções de como se comportar durante o voo.

Embratur