“Vale muito a pena o investimento da Prefeitura Municipal de João Pessoa no centro da cidade. Ele está lindo e beneficia moradores e turistas”. Este é o depoimento da dona de casa Lenilda Vieira dos Santos. Ela é carioca e está visitando a Capital paraibana pela quarta vez. “Chega dá vontade de vir morar aqui nessa cidade histórica, tranquila e linda”, ressaltou.

Assim como Lenilda, o marido dela, Camilo Luiz dos Santos, que é paraibano e mora no Rio de Janeiro há 40 anos, elogiou o trabalho desenvolvido pela Prefeitura no Centro Histórico de João Pessoa. “Essa praça está do mesmo jeito de quando eu era criança e vinha brincar aqui com meus pais. Lá no Rio, eu moro no cruzamento de três praças, mas nada se compara a esta”, afirmou.

O espaço que o Camilo se refere é a Praça João Pessoa, conhecida como Praça dos Três Poderes. Ela foi revitalizada recentemente e entregue à população com a presença de diversas autoridades. A obra, entregue pelo prefeito Luciano Cartaxo, renovou a infraestrutura do espaço, mas sem modificar a arquitetura centenária.

O paraibano José Joaquim Batista saiu de João Pessoa para morar no Rio de Janeiro há 67 anos e sente orgulho de ver como a cidade está bem cuidada. “Todo paraibano deveria ter orgulho de ter essa praça, que é patrimônio histórico e cultural do Brasil. É um pedacinho do nosso país e eu me sinto feliz quando venho do Rio e vejo como está isso aqui”, disse.

Além da Praça João Pessoa, a PMJP está investindo cada vez mais no Centro Histórico, como é o caso da revitalização da Praça da Pedra e do Centro Cultural e Parque Casa da Pólvora. Lembrando ainda da maior intervenção já realizada no Parque Solon de Lucena, um dos cartões-postais do município, dos últimos 100 anos.

“Este é um projeto que pensa a cidade como um todo para os próximos 20 anos. Estamos com dezenas de obras que beneficiarão os paraibanos atuais e das próximas gerações”, falou o prefeito, ressaltando ainda os investimentos no Centro Histórico. “Valorizar o passado é construir o futuro”, destacou.

O secretário de Desenvolvimento Urbano, Hildevânio Macedo, destacou as obras realizadas no Centro da Capital. “São muitas obras sendo realizadas, simultaneamente, na região central. O prefeito entregou agora a Praça João Pessoa e já estamos revitalizando a Praça da Independência, que também é um ponto turístico e histórico da nossa cidade”, observou.

Praça João Pessoa – O espaço exigiu cuidados especiais por estar inserido no perímetro de tombamento do Centro Histórico, delimitado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado da Paraíba (Iphaep). Entre as intervenções realizadas no local estão à restauração dos bancos, do monumento central e a troca do mosaico, além da manutenção da iluminação ornamental.

Os canteiros foram arborizados e as palmeiras imperiais, que fazem parte do traçado original, foram mantidas. Além disso, oito novas palmeiras foram plantadas, retomando o paisagismo original. Uma mudança aconteceu no piso, que acumulava três tipos de ladrilho diferentes. Com a reforma, o piso foi padronizado com ladrilho hidráulico (20 cm x 20 cm) nas cores cinza claro e cinza escuro.PraçadaPedra_FotoGilbertoFirmino (8)

Também foram substituídos todos os meios-fios e feita à manutenção das grades de contorno dos canteiros. Um dos destaques do projeto foi o conceito de revitalização sem interferência no contexto histórico do local. Por isso, a estrutura permaneceu idêntica, como é o caso do traçado original – houve alinhamento apenas dos meios-fios e canteiros do passeio interno. Outro traço mantido foi à marcação em pedra no entorno da calçada externa.

A Praça João Pessoa foi inaugurada em 1803. Na época, era tratada como o jardim público da cidade e denominada de Praça Comendador Felizardo. Atualmente, o local é conhecido como Praça dos Três Poderes, devido à localização estratégica, tendo em seu perímetro as sedes dos poderes Executivo (Palácio da Redenção), Legislativo (Assembleia Legislativa) e Judiciário (Tribunal de Justiça da Paraíba).

Praça da Pedra – A Praça da Pedra, um dos símbolos do Centro Histórico da Capital, foi devolvida à população de João Pessoa, em março de 2014, completamente revitalizada. O local, ponto de destaque no bairro do Varadouro, não recebia investimentos do setor público há mais de 50 anos. As obras custaram mais de R$ 55 mil e fazem parte da política de recuperação das praças e do patrimônio histórico da Capital, realizada pela Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP).

A professora Daniele Ferreira, de 30 anos, mora no bairro desde que nasceu e sempre teve a impressão de que a Praça estava abandonada. “Com a reforma ficou diferente. Agora, as crianças têm um espaço para brincar, andar de bicicleta e os idosos podem caminhar ou sentar e conversar. Com certeza, mudou a rotina do nosso bairro para melhor”, avaliou.

Parque Casa da Pólvora – Um dos principais pontos turísticos do Centro Histórico de João Pessoa foi revitalizado e entregue à população em dezembro de 2014. O Centro Cultural e o Parque Casa da Pólvora receberam investimentos da ordem de R$ 1,3 milhão, recursos da Prefeitura de João Pessoa e do Instituto do Patrimônio Histórico Nacional (Iphan).

O projeto do Centro Cultural e do Parque Casa da Pólvora incluiu a restauração do prédio, que foi tombado em 1938 pelo Patrimônio Histórico Cultural Nacional, além da construção de um parque ecológico em seu entorno. O complexo conta agora com espaço para um café cultural, um teatro de arena (que funciona como anfiteatro) e uma sede administrativa. No prédio da Casa da Pólvora também há espaço para exposições.

A administradora de empresas Ilmar Facundo da Silva mora em Campina Grande e visitou o Centro Histórico recentemente. Na companhia do filho, ela pode admirar as belezas da cidade. “Está tudo muito organizado e limpo. É um bom local para passar o tempo e ficar admirarando a paisagem”, disse.

Parque Solon de Lucena – A maior intervenção já realizada no Parque Solon de Lucena em quase 100 anos. Assim está sendo tratado o projeto de revitalização executado pela Prefeitura Municipal de João Pessoa desde o ano passado. O último projeto desse porte elaborado para o local foi em 1924, feito pelo engenheiro Saturnino de Brito, que só foi executado na década de 30.praçajoãopessoa_foto_gilbertofirmino (5)

O projeto prevê, entre outras intervenções, a construção de um píer às margens da lagoa, um mirante para exercício físico e contemplação da natureza, área para apresentações artísticas, teatro de arena e área infantil. O investimento total previsto é de R$ 40 milhões.

A PMJP já concluiu o serviço de dragagem na Lagoa. O trabalho de desassoreamento fez com que a profundidade do reservatório fosse elevada para 3,8 metros. A medida é essencial para acabar com os alagamentos, um dos problemas históricos do local, recorrente em períodos chuvosos.

Além da dragagem, agora encerrada, continuam a todo vapor as obras de construção do túnel, que será peça chave para acabar com o risco de alagamento na Lagoa no período de chuva mais intensa. Na escavação do túnel está sendo utilizado um método de trabalho não destrutivo. No total, ele terá 684 metros.

O projeto de revitalização foi dividido em etapas. A primeira etapa inclui os serviços de infraestrutura (trabalho de desassoriamento, construção do túnel, construção do muro de contenção e anel sanitário). Na segunda etapa, a Lagoa será transformada em um parque com opções de esporte, lazer, cultura e artes. O objetivo é transformar o espaço em uma opção de entretenimento para melhorar a qualidade de vida da população. Tudo isso com iluminação e segurança de alto padrão.

Secom JP