Funesc exibe ‘Cabra marcado para morrer’ de Eduardo Coutinho

0
Documentário ‘Cabra marcado para morrer’, do cineasta Eduardo Coutinho - Foto: Divulgação

O Centro de Documentação e Pesquisa Musical da Fundação Espaço Cultural da Paraíba (Funesc) exibe, nesta quarta-feira (31), em João Pessoa, o documentário ‘Cabra marcado para morrer’, do cineasta Eduardo Coutinho. A exibição começa às 18h e a entrada é gratuita. Após a exibição, que faz parte do projeto Macacos Me Mordam, haverá debate com a plateia

O longa é uma narrativa da vida de João Pedro Teixeira, um líder camponês da Paraíba, assassinado em 1962. Em razão do golpe militar de 1964, as filmagens foram interrompidas. O engenho da Galileia foi cercado por forças policiais. Parte da equipe foi presa sob a alegação de ‘comunismo’, e o restante do grupo ficou disperso.

O documentário foi retomado 17 anos depois, recolhendo depoimentos dos camponeses que trabalharam nas primeiras filmagens e também da viúva de João Pedro, Elizabeth Altino Teixeira, que desde dezembro de 1964 vivera na clandestinidade, separada dos filhos. Reconstruiu-se assim a história de João Pedro e das Ligas camponesas de Galiléia e de Sapé.

‘Cabra marcado para morrer’ é um documentário brasileiro lançado em 1984, quando o Brasil já vivenciava o período de abertura política. Em novembro de 2015, o filme entrou na lista feita pela Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine) dos 100 melhores filmes brasileiros de todos os tempos.

cabra marcado para morrer2 270x202 - Funesc exibe ‘Cabra marcado para morrer’, de Eduardo CoutinhoO cineasta paulista Eduardo Coutinho é considerado por muitos como um dos maiores documentaristas da história do cinema do Brasil. Tinha como marca realizar filmes que privilegiavam as histórias de pessoas comuns. Sua obra-prima é ‘Cabra marcado para morrer’, que marcou sua carreira como o principal documentarista do Brasil.

Entre outros trabalhos destacados de sua carreira estão os documentários ‘Santo forte’, ‘Edifício Master’, ‘Peões’, ‘Jogo de cena’ e ‘As canções’. Ele morreu dia 2 de fevereiro de 2014, assassinado a facadas pelo próprio filho, que sofria de esquizofrenia.  Nesse mesmo ano, Eduardo Coutinho foi homenageado na cerimônia de entrega do Oscar.

Secom PB

Deixe um Comentário

Please enter your comment!
Please enter your name here