Festa do Dia dos Mortos no México é considerada Patrimônio Cultural Imaterial

0
Festa do Dia dos Mortos, no México - Foto: Divulgação

No México, (2) de novembro é o auge da Festa do Dia dos Mortos, que lembra os entes queridos, com música, alegria e guloseimas

A tradição começou na Europa, quase três mil anos atrás, e foi difundida pelos celtas. Nas Américas, foi misturada a rituais pré-históricos que foram incorporados aos costumes dos povos pré-colombianos, como Astecas e Maias.

Durante esses rituais, que simbolizavam a morte e o renascimento, os nativos exibiam como troféus os crânios de pessoas queridas que tinham morrido.

Era uma forma de mostrar que elas continuavam presentes. Essas cerimônias ocorriam no mês de agosto e foram consideradas pagãs pelos colonizadores europeus, que mudaram a data para o começo de novembro.

Atualmente, os festejos começam no dia (31) de outubro, junto com o Dia das Bruxas. Continuam no dia primeiro de novembro, quando os católicos comemoram o Dia de Todos os Santos. E terminam hoje.

O principal símbolo da festa são as caveiras, que se dividem em três tipos. As caveiras de rimas, também chamadas de Calaveras, onde as pessoas escrevem epitáfios engraçados, que sempre têm a ver com a personalidade do morto homenageado. O segundo são os Grabados, que são caricaturas das caveiras impressas em cartazes.

E o terceiro tipo de caveiras são as Caraveras de Azúcar: doces em forma de crânio, geralmente feitas de caramelo, chocolate e goma, muito populares nas barraquinhas de rua.

A celebração deixa de lado o medo dos espíritos e a tristeza com a morte de amigos e parentes. O objetivo é comemorar a vida que essas pessoas tiveram e saudar as novas vidas, representadas pelas crianças.

A grandiosidade da Festa do Dia dos Mortos foi reconhecida pela Unesco, que considerou o evento Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade.

EBC