Seminário será realizado nestas quinta-feira (24) e sexta-feira (25), em João Pessoa, e reunirá representantes de entidades nacionais e internacionais

O algodão colorido e a renda renascença do Cariri são produtos genuinamente paraibanos, com qualidade garantida e identidade própria da sua região. Essas características fizeram como que os dois produtos recebessem a certificação de Indicação Geográfica concedida pelo Instituto Nacional de Propriedade Intelectual (INPI). Atualmente, o Brasil possui 41 produtos com a certificação de Indicação Geográfica, mas com foco no artesanato, são apenas sete. Destes sete, dois são da Paraíba: a renascença e o algodão colorido.

A entrega solene da certificação à Conarenda (renda renascença) e à Coopnatural (algodão colorido) acontece durante a abertura do II Seminário Internacional de Indicação Geográfica e Marcas Coletivas com foco no Artesanato, nesta quinta-feira (24), em João Pessoa. O evento se estende até a sexta-feira (25) e irá reunir autoridades e representantes de entidades nacionais e internacionais.

“O selo designa a qualidade do produto fabricado em determinado lugar. Além disso, valoriza a história, a cultura e as tradições do saber fazer local. São fatores que são associados à imagem do produto e agregam valor, abrem novos mercados, ampliam a renda, o emprego e a autoestima de seus produtores”, ressaltou o gerente da Unidade de Acesso à Inovação e Tecnologia do Sebrae Paraíba, Fernando Ronaldo Araújo.

Para incentivar os empreendedores e produtores a buscarem essa qualidade, o Sebrae promove o Seminário, em parceria com o INPI e a Organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI). “Como o Sebrae apoia os pequenos negócios, atuamos fortemente para que mais regiões conquistem essa certificação. O Seminário é uma excelente oportunidade para se informar e participar das palestras e debates com diversos especialistas e empreendedores”, acrescentou Fernando Ronaldo.

Dentre os temas que serão discutidos no Seminário estão: O marco internacional para a proteção de indicações geográficas; O papel de cada entidade nas indicações geográficas e marcas coletivas; Proteção da atividade artesanal por propriedade industrial (casos brasileiros e casos internacionais); e O valor da origem para acesso a mercados para o artesanato. Durante o evento também haverá o lançamento do Curso de Ensino à Distância de Indicação Geográfica e Marcas Coletivas do Sebrae e do INPI, e visitas ao Museu Casa do Artista Popular Janete Costa e ao Mercado de Artesanato Paraibano.

Além da participação de representantes das entidades organizadoras, o Seminário contará com palestras de representantes de associações e instituições nacionais e internacionais (Colômbia, México, Peru e Portugal) e diversos empreendedores, como as Artesãs Ribeirinhas de Santarém (PA); a Associação dos Artistas Visuais de Santa Teresa (RJ); o Centro de Referência do Artesanato Brasileiro (RJ); a Associação São João Del Rei (MG); a Associação Goiabeiras de panela de barro (ES), além das paraibanas Maysa Gadelha, Presidente da Coopnatural (Cooperativa de Produção Têxtil de Afins do Algodão Colorido) e Maria Aparecida Silva Sousa, da Conarenda (Conselho das Associações, Cooperativas,Empresas e Entidades vinculadas à Renda Renascença do Cariri Paraibano).

II Seminário Internacional de Indicação Geográfica e Marcas Coletivas – Artesanato

Data: 24 e 25 de setembro (quinta-feira e sexta-feira)

Hora: Quinta (8h30 às 18h30) / Sexta (9h às 13h)

Local: Sapucaia Praia Hotel/Nord Luxxor Tambaú (Av Almirante Tamandaré, 740 – Tambaú, João Pessoa/PB)

SEBRAE
Foto:polkadotbride