Representante do Banco Mundial elogia ações do Paraíba Rural Sustentável

0
Reunião do governo da Paraíba para discutir o Projeto Paraíba Rural Sustentável - Foto: Divulgação

gerente do Projeto Cooperar por parte do Banco Mundial, Maurizio Guadagni, elogiou as ações do Projeto Paraíba Rural Sustentável, o qual considera “muito ambicioso e importante para as áreas rurais do Estado da Paraíba”, adiantando que é prioridade para o Bird. Ele ressaltou que uma das ações que o BM vai trabalhar é a água, observando que é preciso utilizá-la bem como fator essencial para a sobrevivência.

Guadagni explicou que o projeto Paraíba Rural Sustentável tem três componentes práticos para o uso da água: o consumo humano, a agricultura e o armazenamento para prevenir a crise hídrica, e destacou a importância de trabalhar com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), onde se reuniu na última quinta-feira (9) com os técnicos daquele órgão discutindo e conhecendo as tecnologias por eles executadas. “É uma empresa que já tem capacidade existente no país e, com isso, pretendemos construir e criar juntos novas tecnologias para serem manuseadas pelo homem do campo”, ressaltou.

Liv Soares, chefe geral do órgão, disse para Maurizio Gaudagni e Omar Gama que “a tecnologia será o meio mais rápido para implantar mais projetos e um desafio muito importante para serem desenvolvidos pela Embrapa e pelo Projeto Cooperar. É impossível desenvolver a agricultura sem a mecanização”.

Com os técnicos da Embrapa a missão do Banco Mundial conheceu o funcionamento da mini-usina de beneficiamento de capim e algodão, além do laboratório de fibras e fio, onde fica exposto o algodão colorido. Na ocasião, o pesquisador de automação e pesquisa da produção, Odilon Reny e Waltemilton Cartaxo, analista de capacitação e organização da produção na agricultura familiar, apresentaram slides e disseram que “a mecanização não é sinônimo de desemprego, mas um avanço para o agricultor”.

O secretário executivo do Projeto Cooperar, Omar Gama, que acompanhava o representante do Banco Mundial, disse para os técnicos da Embrapa que a missão do Bird veio à Paraíba para, juntos, fazer os ajustes que deverão ser feitos para o início da execução do projeto. “E estamos aqui nesta empresa estatal para incrementar o projeto Paraíba Rural Sustentável que necessita da parceria e da contribuição da Embrapa nesse caso”, acentuou Omar.

Ele disse, ainda, que está buscando parcerias com diversos órgãos que já tenham determinadas tecnologias prontas além da Embrapa, a exemplo da Empaer, Sudema, Aesa e outras instituições que possam oferecer conhecimentos e fornecer tecnologias “o mais rápido possível para que venha melhorar exatamente a capacidade de o agricultor permanecer no campo em condições de sobreviver”.

O projeto, conforme ainda Omar Gama, vai atuar nos 222 municípios da Paraíba, com exceção de João Pessoa, que não é contemplado com o empréstimo do Banco Mundial. “A água e as alianças produtivas serão o grande foco do novo projeto”, confirmou. As técnicas Elisane Abrantes e Valdecy Freire, além do chefe de gabinete Marcílio Nóbrega e Francisco de Assis Delgado, gerente regional da Borborema com sede em Sumé, do Projeto Cooperar também estavam presentes na reunião.

Secom PB

 

Deixe um Comentário

Please enter your comment!
Please enter your name here