Últimos dias para visitar seis exposições em cartaz na Estação Cabo Branco

0
261
Estação Cabo Branco – Ciência, Cultura e Artes, João Pessoa (PB)

Por Artes plásticas

DSCN1541-300x218

Seis exposições permanecem abertas para visitação pública neste final de semana no primeiro pavimento da Torre Mirante da Estação Cabo Branco – Ciência, Cultura e Artes, no Altiplano. São elas: Olhar a Ponte que nos liga, Exposição Tiririca dos Crioulos: Pessoas Fortes na Luta, A Espreita, Rabecas de Nicodemos, Dom Fotográfico e Exposição Construindo Arte com Retalhos. A entrada é gratuita ao público de todas as idades. O horário de visitação é de terça a sexta-feira, de 9h às 18h. Sábado, domingo e feriado de 10h às 19h.

A curadora da Estação Cabo Branco, Larissa França, disse que essas ficam em cartaz até o final de julho e que em agosto novas exposições de fotografia estão sendo agendadas. Segundo ela, estão confirmadas para o próximo mês as montagens das exposições Passagens (Paulo Rossi), Afro Chilenas, Ação MRSC e O Jogo da Bola. “Queremos dedicar o mês de agosto a fotografia”, comentou Larissa.

A Arte dos Retalhos – Se encontra aberta para visitação pública no primeiro pavimento da Torre Mirante. A exposição coletiva de artesanato é do grupo de artesãs do bairro do Alto do Mateus, em João Pessoa, que faz parte do projeto João Pessoa Artesã (JPA). No local, o visitante poderá ver e adquirir jogos de tolhas, bonecas de pano, blusas, porta papel, colcha, bolsas, carteiras, peso para porta, pano de prato, assessórios de cama, banho e bijuterias. São mais de 500 peças.

A Espreita – Trata-se de uma instalação de cinco sombras em tecido, com dimensões variáveis, criadas pelos artistas do Coletivo Entreaberto, de Brasília. As sombras são de autoria de Gustavo Magalhães, Sabrina Lopes, Teca Santa Cruz e Polyanna Morgana instaladas na Torre da Estação. São obras inspiradas no pensamento do filósofo francês Gilles Deleuze, sobretudo em uma série de entrevistas feitas por Claire Parnet que gerou o “Abecedário de Gilles Deleuze”, onde ele afirma, entre outras coisas, que os homens estão sempre à espreita, assim como os animais.

O Dom Fotográfico – Reflete o olhar das pessoas com Síndrome de Down por meio da fotografia. A exposição apresenta um conjunto de imagens de mães e pais de pessoas com Síndrome de Down. Contudo, um destaque é importante: as fotografias correspondem ao olhar dos seus próprios filhos No espaço expositivo o visitante vai encontrar 36 imagens e uma ilustração. São 14 fotografias dos pais dos jovens e 14 fotografias dos pais com os jovens fotografados pelo professor. Outras sete imagens são dos bastidores, tiradas pela publicitária Vanessa Firmino.

Rabecas – Exposição fotográfica do luthier, pesquisador e etnomusicólogo, João Nicodemos. No local o visitante encontrará aproximadamente 25 imagens em tamanhos variados. Nela João Nicodemos apresenta desde a primeira Rabeca (instrumento musical) até a mais recente. Ele atribuiu ao instrumento classificações que podem ser vistas na exposição, a exemplo da rabeca de gamela, rabeca de cocho, rabeca de cinta cortada e de cinta dobrada. Os modelos das rabecas, segundo ele, são exclusivos. Foram construídas em madeiras de lei e outras madeiras brasileiras, sempre seguindo a ideia de sustentabilidade como prática da reutilização, que de acordo com ele, são exemplares únicos, não havendo cópias.

Tiririca dos Crioulos – Objetos, fotos, desenhos, músicas e vídeos podem vistos na exposição “Tiririca dos Crioulos: Pessoas Fortes na Luta”, no primeiro pavimento da Torre Mirante. Um dos coordenadores da exposição, o antropólogo Nivaldo Aureliano Leo Neto, trabalha com a comunidade há três anos e disse que esse trabalho foi realizado no modelo de gestão compartilhada. A exposição coletiva é mediada pelo Rumos Itaú Cultural (2015/2016). Ela é resultado da ação educativa “Do Buraco Ao Mundo”, que culminou na produção de material didático produzido pelos pesquisadores do quilombo indígena Tiririca dos Crioulos, comunidade do município de Carnaubeira da Penha do sertão de Pernambuco. O material foi concebido por pessoas de diferentes faixas etárias e gerações, e revelam sobre o cotidiano da comunidade, as danças, as crenças, as festas e saberes de um povo.

Caminho do Conhecimento e Planetário – O visitante poderá ainda desfrutar do Caminho do Conhecimento nos jardins da casa. A sessão para entrada no caminho é sempre às 16h, com a presença de um monitor da casa. O planetário inflável tem sessões de terças e quintas-feiras no horário de 9h30 e 14h30 (instituições agendadas), nas quartas, sextas, sábados e domingos as sessões: 10h30, 11h30, 15h e 16h, para o público em geral, na sala de convenções do prédio administrativo.

Serviço:

Exposições: “Olhar a Ponte que nos liga (Marcos Carvalho), Exposição Tiririca dos Crioulos: Pessoas Fortes na Luta, A Espreita, Rabecas de Nicodemos, Dom Fotográfico e Exposição Construindo Arte com Retalhos (comunidade do Alto do Matheus)”.

Local: Primeiro pavimento da Torre Mirante
Horário de visitação: terça a sexta-feira de 9h às 18h. Sábado, domingo de 10h às 19h.
Entrada gratuita.

Fone: 3214.8270 – 3214.8303

www.joaopessoa.pb.gov.br/estacaocb