Turismofobia: A intolerância alicerçada pela ganância macula a cultura de paz

0
129
Turismofobia - Imagem: Divulgação

Por Andrea Nakane

O termo pode até ser novo, mas sua proliferação vem ganhando espaço há algum tempo e, nas últimas semanas, a Turismofobia ganhou as manchetes internacionais, recolocando o assunto no epicentro de debates e discussões.

A Espanha, no auge de seu verão escaldante, tem liderado as manifestações evocando uma verdadeira inospitalidade aos turistas, sendo içados a um perfil de invasores desprezíveis e repulsivos.

Ibiza, Barcelona e Palma são localidades reconhecidamente como destinos turísticos de grande sucesso e que até pouco tempo conseguiam conviver de forma muito harmoniosa e até acolhedora com os visitantes.

Porém, hoje, há inúmeras revoltas com essa presença massiva, já que esse número foi extraordinariamente ampliado por consequências de facilidades de transportes e até mesmo hospedagens não convencionais, como o aluguel de temporada. Esse modelo de negócio, considerado por muitos disruptivo, tem obrigado compulsoriamente a população local a ser marginalizada e até mesmo excluída de suas moradas, já que a especulação imobiliária dos aluguéis tornou sua acessibilidade restrita a quem paga mais.

Isso, sem falar na infraestrutura de serviços das localidades, que acabam por serem insatisfatórias para o atendimento pleno de todas as demandas unificadas.

Outra situação diz respeito ao próprio perfil de turistas, que em muitas ocasiões tem comportamentos inadequados, grosseiros, agindo como se estivessem ali consumindo e alavancando a economia da região, tornam-se prepotentes, considerando-se donos do pedaço!

Em época de intolerâncias mil, essa versão focada no Turismo, nos incita a repensar a maneira de gestão turística de grandes centros urbanos e até mesmo dos pequenos oásis turísticos, que necessitam de todo o zelo e cuidado extra para seu desenvolvimento sustentável.

Caio Luiz de Carvalho, um dos mais emblemáticos executivos brasileiros e que no setor público já liderou pastas importantes para o Turismo, sempre afirmou que uma cidade boa para o visitante, antes de mais nada é boa para seus cidadãos.

Se essa equação estiver desequilibrada, situações de impactos negativos irão aflorar e tomar rumos – que muitas vezes – serão não só retrógradas, mas insustentável a ponto de conflitos – de ordem até mesmo violentos – sejam estimulados.

É preciso a união verdadeira de toda a sociedade civil e organismos públicos para discutir, trocar ideias, experiências e buscar soluções para que a Turismofobia não se alastre ainda mais, tornando-se mais um elemento de discórdia e rupturas entre os povos. A cadeia turística precisa estar alinhada e realmente conectada, já que é um problema que afeta todos nós.

O Turismo precisa se vincular a uma cultura de paz e não ao contrário!

images-1

Andrea Nakane – Bacharel em Comunicação Social, com habilitação em Relações Públicas, possui especialização em Marketing (RJ), em Administração e Organização de Eventos pelo Senac (SP), em Educação do Ensino Superior e mestrado strictu sensu em Hospitalidade pela Universidade Anhembi Morumbi.

 

 

 

*O conteúdo desta matéria é de propriedade intelectual do (a) autor (a), e não reflete, necessariamente, a opinião do O Concierge.
*Esta plataforma destina-se ao debate sobre o conteúdo publicado apenas para fins informativos e de entretenimento.
*O usuário é o único responsável pelo que escreve em seu comentário, de modo que responderá integralmente por qualquer ofensa a direitos de terceiros que seu comentário possa causar.