Evento que acontecerá em 2018 deverá atrair 35 mil participantes de 147 países e injetará R$ 61 milhões na economia de Brasília

A promoção do Brasil como país sede do 8º Fórum Mundial da Água em 2018 foi tema do encontro do presidente da Embratur (Instituto Brasileiro de Turismo), Vicente Neto, com o secretário de Turismo do Distrito Federal, Luis Otávio Neves, além do diretor presidente da Adasa (Agência    Reguladora das Águas, Energia e Saneamento    Básico    do Distrito Federal), Vinicius Benevides e o chefe de Gabinete da Ana (Agência Nacional das Águas), Horácio Figueiredo, ontem (16), em Brasília.

“Desde o ano passado, o Instituto apoia a captação do evento, que promete atrair 35 mil pessoas de 147 países. O Brasil será o primeiro País da América Latina a sediar o Fórum que vai propor debates que giram em torno de alternativas para o aproveitamento racional e sustentável do recurso hídrico”, explicou o presidente. A estimativa da Secretaria de Turismo é que a receita do Distrito Federal tenha um impacto direto de R$ 61 milhões em gastos com alimentação   , hospedagem   , compras e outras despesas.

Em 2015, quando acontecerá em Daegu, na Coreia do Sul, a próxima edição do evento, o Brasil deverá fazer a promoção do País    como sede do fórum seguinte, em Brasília. “Será a oportunidade de apresentar os atrativos do País e motivar os participantes a confirmarem a viagem para o Brasil”, explicou Neto.

Em agosto do ano passado, o diretor de Produtos e Destinos da Embratur, Marco Antonio Lomanto, realizou umaapresentação    sobre o Brasil para dirigentes do Conselho Mundial da Água, que estiveram em Brasília com o objetivo de atestar a infraestrutura e serviços da cidade. Na lista para receber o evento, competiu Rússia (Moscou), Qatar    (Doha   ) e Dinamarca (Copenhagen).