Direto de Belém do Pará, a artista plástica e performer Berna Reale traz a São Paulo sua nova exposição, intitulada “Vapor“. Por meio de fotos e vídeos que colocam a artista em situações inusitadas, como dançar “Singing in The Rain” em cima de um lixão, o projeto pretende denunciar atos de violência, abusos de poder e conflitos sociais que permeiam seu cotidiano, afinal, a artista também é perita criminal do Centro de Perícias Científicas do Estado do Pará.

Quem quiser conferir essa mostra irreverente pode passar pela Galeria Millan, naVila Madalena, entre 19 de novembro e 20 de dezembro, de terça a sexta, das 10h às 19h, e aos sábados, das 11h às 18h. A entrada é livre.

Ao todo, a exposição lança três vídeos inéditos: “Rosa Púrpura”, “Imunidade” e “Cantando na Chuva”. Confira abaixo um pouco sobre cada um:

Rosa Púrpura

Berna_Reale_2-450x300No vídeo, Berna e um grupo de 50 colegiais marcham pelas ruas de Belém, seguidas por uma banda militar. Todas as mulheres estão vestidas com uniformes típicos de colégios tradicionais – blusas justas e saias de prega, mas na cor pink -, carregando na boca próteses que remetem a bonecas infláveis.

Cartazes com retratos destas meninas serão espalhados por São Paulo, em pontos como cinemas, teatros, centros culturais, escolas de artes e outros, com objetivo de divulgar a exposição e disseminar sua temática. Durante a exposição, a artista alimentará seu website com depoimento de algumas das participantes da performance em que descrevem suas experiências com a violência e coação sexual.

Imunidade

imunidade_por_berna_reale-450x337No vídeo, a artista navega em uma gôndola pelos esgotos de Belém, acompanhada na embarcação por 500 ratos. Este trabalho foi produzido a partir do prêmio da Fundação Joaquim Nabuco à artista

Cantando da Chuva

Berna_Reale-450x300E o vídeo Cantando na chuva é dos mais irônicos: Berna, inteiramente vestida em dourado, incluindo guarda-chuva e máscara de gás, dança soberbamente a música “Singing in the rain” sobre um tapete vermelho pelo lixão da capital paraense, em meio a catadores.

Catraca Livre

Imagens: Divulgação