Com seis anos de estrada, a banda Outona vem conquistando elogios e boas críticas do publico e de especialistas no assunto, como Edu K (Pavilhão 9), Kuaker (CPM 22), André Kostta (Blast Records/Sony ATV). A banda investe em um som autoral e clipes que fazem o maior sucesso na internet.

Conversamos com o vocalista da banda, Moi6 Morais, sobre o que a banda pensa no que se diz respeito ao rock paraibano, público e o novo CD.

01 – Quais foram as principais mudanças da banda nesses seis anos?

Além de termos passados por várias mudanças de integrantes, a sonoridade da banda mudou muito. Antes fazíamos um som mais voltado para o público adolescente, algo mais alternativo, e com o crescimento de cada um, até mesmo por alguns de nós termos nos tornados pais, isso refletiu nas músicas. Hoje fazemos um Rock mais voltado para as raízes do estilo.

02 – Como é escolhido o repertório de vocês?

Basicamente nosso repertório é composto por nossas próprias musicas. Com quase seis anos de banda, temos três discos lançados, e estamos dando ênfase ao disco mais recente, o “Permita-se”. Além disso, colocamos alguns covers de bandas que curtimos bastante, como Foo Fighters e Beatles.

03 – Como é o publico de rock na cidade? Vocês têm onde tocar? E como é a relação com os fãs?

João Pessoa tem um forte público para Rock, só que muita gente não tem o costume de ir de fato aos shows, participar em si, a maioria vai para o evento, mas fica do lado de fora, isso já é comum por aqui. Na cidade tem poucos espaços para tocar, e os poucos não pagam cachê, é bem complicado manter uma banda por aqui. A nossa relação com os fãs é a melhor possível, além da galera de João Pessoa, estamos construindo um ótimo público pelo interior da Paraíba. Tocamos em Cajazeira e foi um grande show.

04 – Um show inesquecível?

Difícil citar apenas um. Teve alguns na nossa carreira que marcaram muito como: A primeira vez que tocamos no Busto de Tamandaré para mais cinco mil pessoas e a abertura dos shows para as bandas Fresno e Pitty.

05 – Com dois clipes lançados, Outona é um abanda que investe em um som autoral, qual a repercussão que esses esforços tem tido?

Sempre investimos no nosso próprio som e o melhor retorno e repercussão disso é ver a galera cantando nossas músicas nos shows, divulgando nossos clipes nas redes sociais, nos elogiando e dizendo que temos um grande futuro.

06 – Um lugar ou festival que vocês desejam tocar?

Acho que a gente gostaria de tocar onde fosse possível. Nosso foco agora é voltar a expandir nossas fronteiras, fizemos muito isso em 2009/2010, viajamos muito pelo nordeste e agora queremos fazer isso novamente.

 07 – Fale um pouco do processo criativo do CD “Permita-se”, e o que ele significa para vocês.

Esse disco tem um grande significado, pois foi o primeiro trabalho que lançamos depois que a banda passou quase três anos em hiato. A mensagem principal do disco é realmente como diz no título, quisemos nos reinventar com esse trabalho, nos permitindo ir além dos nossos limites, entrando em outras atmosferas, tanto na parte das letras como na parte musical. Nas letras em muita influência de escritores como Mário Quintana e Jack Kerouac.

08 – Sobre os shows de vocês, o que significa para vocês estarem ao vivo?

É a parte mais importante de uma carreira musical. É ali onde a banda vai ver se a banda realmente está tendo uma boa resposta do público e de quem tiver assistindo. Nossos shows costumam ser bem enérgicos e intensos.

09 – Realities shows musicais, a banda pretende participar, qual a opinião de vocês?

Eu acho complicado você ser julgado tão diretamente, acredito que a arte não foi feita para ser tratada assim, mas por outro lado esses tipos de programas dão muita chance para os artistas e bandas. Ainda não participamos de nenhum, mas se aparecer um que nos interesse, iremos participar.

10 – O que podemos esperar da Outona?

Ainda estamos na divulgação do nosso disco mais recente, nos inscrevemos em alguns festivais importantes e estamos esperando ser chamado. Além disso continuamos compondo músicas, já temos um novo EP praticamente pronto, e logo mais pretendemos voltar para o estúdio para gravar essas novas canções.

Por: Hérmany Menezes