Os poetas Rui Vieira de Campina Grande e Josafá de Orós são os mais novos integrante da Academia de Cordel do Vale do Paraíba, que será instalada em Itabaiana, no próximo sábado, dia 24 de janeiro, às 20h na Câmara de Vereadores daquela cidade.

Cordelista Rui Vieira
Cordelista Rui Vieira

Rui Vieira ocupará a Cadeira nº 28, cujo patrono é o cordelista José Camelo.

Rui é natural de Remígio, na Paraíba, radicado em Campina Grande desde a década de 50. Funcionário do Banco do Brasil aposentado, jornalista, escritor, pesquisador de literatura popular e membro da Academia Campinense de Imprensa, é sócio da Casa do Poeta e autor do “Dicionário Temático de Poesia Popular Nordestina”.

José Camelo de Melo Resende nasceu em 20 de abril de 1885, em Pilõezinhos, na época distrito de Guarabira (PB). Com pouca escolaridade, exerceu a profissão de marceneiro e carpinteiro. A poesia torna-se, então, válvula de escape para sua inteligência e extraordinária imaginação. Começa a escrever folhetos no início dos anos 1920, versejando numa língua perfeita, com precisão da métrica e da rima que o distingue da maioria dos poetas populares. Ao mesmo tempo, faz-se cantador, compensando seu pouco talento para improvisar com uma astúcia: decora romances que ele mesmo compõe, criando tramas ou adaptando-as das histórias que correm de boca em boca. Sua obra imortal é o folheto “Pavão misterioso”.

Cordelista Josafá de Orós
Cordelista Josafá de Orós

O também poeta Josafá de Orós, ocupará a cadeira número 3 da Academia de Cordel do Vale do Paraíba que tem como patrono o saudoso poeta, Manoel Monteiro.

Manoel Monteiro é referência no Brasil e um dos ícones da literatura de cordel, se transformou em um dos mais importantes escritores da arte de escrever versos rimados e metrificados sobre temas diversos da atualidade.

Representante do chamado “Novo Cordel”, ele teve espaço garantido dentro do Maior São João do Mundo, no Parque do Povo, com o Espaço Manoel Monteiro. Foram mais de 200 títulos escritos por Manoel a exemplo de “A Maior Festa Junina é Feita Aqui em Campina, O Castigo da Soberba; Uma Tragédia de Amor; Peleja de Manoel Camilo com Manoel Monteiro; Padre Cícero: Político ou Padre? Cangaceiro ou Santo?; Quer Escrever um Cordel? Aprenda a Fazer Fazendo; Cartilha do Diabético; e A Estória do ET”. O primeiro cordel foi publicado em Campina Grande em 1953.

Manoel Monteiro da Silva era natural de Bezerros, a 102 km de Recife (PE), mas desde 1955 que morava em Campina, onde foi radicado. Membro da Academia Brasileira de Literatura de Cordel, ele era um dos mais importantes cordelistas do Brasil e o maior poeta de cordel da atualidade no país.

Fonte: Fábio Mozart / O Concierge
Fotos: Divulgação