Numa conversa informal e descontraída, semana passada, fui apresentada mais intimamente ao “Ragga“, Ritmo esse  já bem conhecido meu  e que num primeiro momento me foi apresentado pelos meus filhotes, sim os meus;  em altos decibéis aqui na minha própria casa, todas as manhãs das férias antes de saírem para surfar.
Roberto, Robertinho, Atômico! Esse é o cara do Ragga na Paraíba.
Dono de letras realistas, com expressões regionais e contextualizadas ele traduz tudo isso hoje através desse ritmo que invadiu a Paraíba e tenho certeza que chegou pra ficar.
O Ragga nasceu na Jamaica em meados dos anos 60, 70 do século passado e  como todos os rítimos, foi produzido pela necessidade de expressão de um povo. Particularmente o Ragga em seus primeiros “Riddins” não feriu a cultura “Roots”, mas é rico em diversidade, abrangendo técnicas do “Hip Hop” e do “Rap”.
Atômico iniciou sua carreira na música fazendo Rap, incentivado pelos anos que passou na América do Norte (Flórida), ele tocou em vários “Pubs” onde a influência Latina, da América Central, o direcionava ao “Reggaeton”, mas quando voltou ao Brasil… a batida do “Baião”, a musicalidade nordestina, as letras contextualizadas que quase pulavam da sua boca,  a “Paraíbanidade” falou mais alto. Ele conta que junto a tudo isso  encontrou-se com um amigo o Sacal que já fazia ragga; dando inicio a uma parceria  e aculturando o ragga as batidas, e expressões paraibanas.
Além da parceria certa com também compositor e cantor Sacal, ele ainda está inseridos em projetos como Furmiga Dub e Paray Dub, onde tocam músicos  como Escurinho e Alex Madureira.
Hoje Atômico faz de três a quatro shows por mês na capital e no interior da Paraíba, e tem levado também  sua musicalidade para todo o Brasil.
Perguntei, o porque do apelido Atômico? Ele respondeu: Porque sou pequenininho, indivisível e nuclear! Resumindo: Ele tem o poder.

*Este texto foi relocado para esta coluna e faz parte do acervo da colunista.
Escrito em 25/04/2012

SHARE
Artigo anteriorFarol do Cabo Branco + Ponta do Seixas
Próximo artigoPicãozinho
Ana Célia Macedo
Ana Célia Macedo, jornalista desde 2010 é membro da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo, seccional Paraíba (Abrajet PB). Iniciou suas atividades junto a comunicação escrevendo sobre turismo num blog em que narrava experiências vividas nas suas viagens pelo mundo e também divulgando os atrativos turísticos da sua cidade natal, João Pessoa. Morou por dois anos na Suíça, onde aperfeiçoou habilidades no jornalismo online, editorando o site “Brasileiros na Suissa”, que continha conteúdo exclusivo para a comunidade brasileira naquele país. É acadêmica em Comunicação Social, empresária e editora do site "O Concierge Online" que produz o melhor conteúdo em Turismo, Cultura e Gastronomia. Viajar, comer bem, conhecer novas culturas, fotografar e escrever são seus "hobbies". E-mail para contato: anaceliamacedo@oconciergeonline.com.br