A Secretaria Executiva de Meio Ambiente, juntamente com o Batalhão de Policiamento Ambiental, deu todo apoio e suporte necessários à Ong Guajiru, que identificou, na manhã desta quinta-feira (22), dois ninhos de tartaruga da espécie oliva na área de abrangência do Parque Estadual das Trilhas, na praia de Jacarapé. O Aquário Paraíba também participou da ação.

Em um dos ninhos foram encontrados 75 ovos que levarão aproximadamente 60 dias para eclodirem. O secretário executivo do Meio Ambiente, Fabiano Lucena, afirmou que será feito um trabalho de monitoramento no local para a preservação dos animais. “Nosso trabalho hoje, juntamente com o Batalhão de Policiamento Ambiental, foi de garantir a segurança do local, visto que aquela região é um pouco deserta. Nós vamos continuar acompanhando a existência do ninho até que os ovos venham a eclodir”, destacou.

De acordo com Rita Mascarenhas, que coordena o projeto tartarugas urbanas da Ong Guajiru, não é comum o surgimento de ninhos de tartarugas da espécie oliva. “Esse foi o décimo ninho de tartaruga oliva que eu encontrei, dos mais de dois mil que a gente cuida em 15 anos de existência da Ong Guajiru e nós vamos monitorá-lo”, afirmou.

Rita acrescenta que haverá um trabalho de conscientização junto a população para que os animais sejam protegidos no local. “Quando os ovos eclodirem, nós vamos realizar uma ação educacional para que a população esteja empenhada em proteger as tartarugas toda vez que elas surgirem por lá”, destacou.

Para Karina Massei, bióloga do Aquário Paraíba, localizado na praia do Seixas, a população receberá apoio da equipe de biólogos, visto que o aquário está localizado mais próximo do local dos ninhos. “Nós vamos dar total apoio aos moradores da região na preservação desses animais. O que eu pude constatar é que a comunidade tem mostrado total interesse em cuidar das tartarugas. Foram eles que ligaram para a polícia ambiental e acompanharam junto conosco a detecção dos ninhos”, acrescentou.

Tartaruga Oliva – A tartaruga da espécie Lepidochelys olivacea, conhecida também como tartaruga-oliva é a menor de todas as espécies de tartarugas marinhas, com peso entre 35-50 kg, sendo uma espécie altamente migratória. Sua carapaça possui de 6 a 12 pares de placas laterais justapostas, sua coloração pode variar de cinza claro a verde escuro com o seu ventre amarelo claro, sua cabeça possui 2 pares de placas pré-frontais e 3 pares pós-orbitais. O comprimento de seu casco mede 68 cm em média.

Sua distribuição é ampla sendo encontrada em bacias oceânicas tropicais e subtropicais, sendo provavelmente a espécie em mais abundância; as maiores colônias encontradas destes animais estão localizados em áreas costeiras do litoral do Sergipe, em algumas praias do litoral baiano e no norte do Espírito Santo.

A tartaruga oliva apresenta três tipos de desova: solitária, em pequenos grupos e em arribada (desova de milhares simultaneamente). As arribadas são registradas na Costa Rica, Nicarágua, Panamá, México, Suriname e Índia. No Brasil o principal sítio reprodutivo se localiza entre o litoral sul do Alagoas e o litoral norte da Bahia, com maior densidade de desova no estado do Sergipe. A cada temporada reprodutiva as L. olivacea realizam de uma a três posturas e seu ciclo reprodutivo ocorre com intervalos de um a três anos; em cada postura realizada são depositados no ninho cerca de 100 ovos.

Secom PB