por Samantha Chuva

Principal gasto nos hotéis, a conta de energia é, certamente a que mais pesa no orçamento de um empreendimento. E o principal “vilão” é o ar-condicionado, responsável por quase 60% da conta de luz dos hotéis. A fim de economizar, muitas redes hoteleiras optam por desligar o dispositivo do quarto dos hóspedes, gerando incomodo por parte dos clientes. Mas a solução não é a melhor, aponta Luiz Franco, diretor Comercial da Evolutix, empresa voltada para gestão inteligente de energia na hotelaria.

Luiz Franco, da Evolutix - Imagem: Divulgação
Luiz Franco, da Evolutix – Imagem: Divulgação

“Com a tecnologia é possível economizar em até 45% o consumo do ar-condicionado em cada quarto” (Luiz Franco)

De acordo com o executivo, desligar o ar-condicionado pode gerar até mesmo um aumento no gasto de energia. Uma vez que a máquina faz muito mais esforço para resfriar o local novamente. Sem mencionar o desconforto causado para o hóspede. “Se o hóspede sai do quarto e deixa o ar-condicionado ligado, entende-se que ele deseja, ao retornar, encontrar um ambiente fresco e em uma temperatura agradável.”, lembra Franco. Para o consultor, a dica é aumentar a temperatura do ambiente e não desligar totalmente o dispositivo. “Outros hotéis mantém o ar ligado, a fim de evitar mofo, porém, para isso não é necessário deixa em uma temperatura muito baixa”, complementa.

“Para cada grau de temperatura, é possível economizar 7% de energia”, enfatiza o diretor sobre a Evolutix, uma solução que visa resolver a equação. A empresa, de origem americana, desenvolveu um dispositivo que identifica se o hóspede está no quarto através de um sensor de temperatura.

COMO FUNCIONA?
O sensor identifica a presença do hóspede, caso não haja ninguém, o dispositivo aumenta a temperatura ambiente, ajudando o empreendimento a economizar energia, mas sem tirar o conforto do hóspede.

“Para cada grau de temperatura, é possível economizar 7% de energia” (Luiz Franco)

Porém, o principal diferencial do gadget é o chamado “Recovery Time”. “Muitas soluções parecidas com a da Evolutix não contam com o Recovery Time. Ao identificar que o quarto está vazio, esses dispositivos desligam o ar-condicionado. A ferramenta da Evolutix, por sua vez, aumenta a temperatura quando o local está desocupado. Já quando o hóspede retorna, o dispositivo começa a voltar para a temperatura de escolha do cliente de forma gradual, após 15 minutos que a pessoa está no ambiente”, exemplifica o executivo.

Segundo Franco, com a tecnologia é possível economizar em até 45% o consumo do ar-condicionado em cada quarto. E o tempo médio para ver um retorno na famigerada cobrança de energia é entre três e três anos e meio. Atualmente a empresa opera em dois hotéis no Brasil: o Hilton e o Copacabana Palace, ambos no Rio de Janeiro, além de contar com um andar no Tivoli da capital paulista. Nos Estados Unidos, mais de 300 mil quartos adotaram a tecnologia, que leva aproximadamente um mês para ser instalada, sendo que a mesma pode ser feita com o hotel ocupado e em operação.

ECOSUITE: DOIS EM UM
Além da gestão inteligente do ar-condicionado, a tecnologia da Evolutix também possibilita controlar as luzes dos quartos, são as chamadas EcoSuites. Assim que a pessoa sai do ambiente, as luzes são desligadas. Ao retornar, o empreendimento pode escolher se deseja que o cenário volte como estava antes da saída do hóspede ou não. “Se o cliente sai do quarto com todas as luzes acesas, é possível definir que ao seu retorno as luzes todas se acendam, ou que permaneçam apagadas”, esclarece Franco.

ANÁLISE DE DADOS E AÇÕES DE MARKETING
A empresa ainda está desenvolvendo um aplicativo de forma a facilitar o contato direto com os hóspedes. A ideia é que o cliente tenha tudo o que precisa ao seu alcance: na telinha do smartphone. Com o app, o hóspede conseguirá controlar a luz, temperatura, televisão com apenas um clique. O programa ainda permite que ele entre em contato com a recepção, selecione roomservice, serviço de consierge, agende um horário no Spa e outras atividades.

“Com o software da Evolutix acoplado ao software de gestão do hotel, o empreendimento consegue inclusive realizar ações de marketing direcionadas”, exclama Franco, que exemplifica: “Suponhamos que o Spa do hotel está vazio. Pela ferramenta, o gerente do local consegue identificar quantos hóspedes encontram-se em seus quartos, e enviar uma promoção direcionada para eles. Evitando que todos os outros hóspedes tenham acesso e, ocasionalmente, lotem o Spa, por exemplo”.

Franco ainda ressalta que também é possível realizar ações de acordo com perfis dos clientes através de informações coletadas no check-in ou por programas de cadastro e fidelização.

ESTUDO DE CASO
Desde dezembro que o Tivoli da Alameda Santos de São Paulo (SP) conta com um andar inteiro com os dispositivos da Evolutix. Segundo Dejair Candido, representante comercial da Evolutix em São Paulo, o empreendimento já viu economias. “No mês de janeiro o andar do Tivoli com o nosso equipamento teve uma redução de 20% nos gastos de energia em comparação com os outros andares. E isso é muito relevante, pois o andar conta com uma academia, o que gera um gasto de energia bem mais alto”, destacou o executivo.

Durante o período, o hotel contava com uma ocupação de 80%. Ao todo o Tivoli conta com 217 quartos, apenas 11 contam com a ferramenta no momento, mas a expectativa é que em breve o resto das acomodações adote o projeto.  “O interessante é que o próprio investimento se paga. Com a economia na energia é possível investir gradualmente para a instalação nos outros quartos”, finaliza Candido.

LÁ FORA
A Best Western Hotels& Resorts está desenvolvendo um dispositivo eletrônico que promete fazer com que os hóspedes possam solicitar serviços de quarto. A intenção da rede é testar um protótipo em cerca de uma dúzia de propriedades, com o objetivo de inovar nas relações com os hóspedes.De acordo com o CEO da rede, David King, a novidade pode beneficiar não só hóspedes mas funcionários dos hotéis da Best Western. “Os clientes poderão notificar o pessoal de que o quarto já foi limpo, ou que o ambiente precisa de reparos nisso ou naquilo no quarto”, comentou.

TENDÊNCIAS PARA O FUTURO DA HOTELARIA

  • Hotel inteligente: todos os processos “na mão” do hóspede”
  • Automação intensiva: inteligência artificial e controles por voz
  • Rapidez e eficiência de gestão: sistemas inteligentes em dispositivos móveis
  • Big Data analytics: engenharia de informações para gerar mais receitas
  • Gestão energética: geração própria de energia via fontes renováveis

M&E