Uma releitura das obras do artista pernambucano Francisco Brennand pode ser vista hoje (16), a partir das 18h, no Centro Cultural Lourdes Ramalho, em Campina Grande. Hierofania, exposição com oito instalações fotográficas e uma projeção de vídeo, fica em cartaz em única noite no espaço. A entrada é gratuita.

Trabalho de conclusão da estudante Jessica Mendes no curso de Arte e Mídia da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), o projeto envolveu estudantes do curso na transcriação das peças de Brennand em outros suportes.

Também pernambucana, natural de Caruaru (no Agreste, a 130 quilômetros do Recife), Jessica Mendes é fotógrafa e produtora, e levou parte da equipe de Campina Grande para a Oficina Brennand, a famosa olaria da tradicional família, em Recife, onde está localizado o ateliê e o museu com parte do acervo do artista.

O nome que batiza a exposição vem do grego ‘hieros’ (sagrado) e ‘faneia’ (manifesto) e é uma espécie de síntese da proposta de Brennand, “que representa em suas criações a origem da vida, a fertilidade e a sua equivalência com a eternidade, compreendendo o corpo feminino como receptáculo do sagrado – forte, capaz de gerar a vida suportando a imensa dor”, como descreve o grupo no texto de apresentação do projeto.

SAGRADO E PROFANO
As peças ganharam vida no corpo de modelos submetidas a um longo processo de maquiagem. A ideia era representar o sagrado, tal qual Brennand o faz em suas esculturas, a partir do corpo da mulher, estabelecendo um diálogo com a exploração da figura feminina na mídia atualmente. O trabalho inspira-se também na mitologia indígena.

Além de Jessica Mendes, estão na equipe os estudantes Juliana Sam, Willams Lucian, Mariana Melo, Bebel Lélis, Vanessa Pessoa, Jefferson Souza, Marcinha Lima, Liah Martha e Danilo Coelho.

Jornal da Paraíba

Fotos: Reprodução