Cinquenta e três por cento das agências de viagens do país tiveram perdas em seu movimento comercial na realização da Copa. Este dado faz parte do estudo realizado pelo Ipeturis (Instituto de Pesquisas, Estudos e Capacitação em Turismo) a pedido do Sindicato das Empresas de Turismo no Estado de São Paulo (Sindetur-SP) para avaliar o impacto do evento no setor.
No mês de junho as vendas totais caíram 27% em razão da Copa. Em todo o Brasil, apenas 13% das agências de viagens venderam mais do que o normal. Para os outros 34%, pouco alterou, o saldo não foi nem positivo, nem negativo.
“O impacto foi mais negativo nas viagens domésticas. No mês de julho, talvez a queda seja ainda maior”, analisa Eduardo Nascimento, presidente do Sindetur-SP.
No primeiro semestre, 31% das agências entrevistadas venderam serviços turísticos específicos para a Copa do Mundo, com média de 24 atendimentos cada. Em junho, produtos diretamente ligados ao Mundial tiveram participação de apenas 3,9% no total de vendas das Agências de Turismo. Em maio, a média ficou em 2,3%. Nos meses de janeiro a abril, a Copa representou somente 1,5% em média das vendas. Entre os produtos comercializados: passagens aéreas, hospedagens, pacotes turísticos, locação de veículos e seguro nas assistências de viagens.

T3