Foto: Zen Rooms – Divulgação

Henrique Santiago

Preço baixo sempre atraiu a curiosidade do consumidor, independentemente do produto. E, com isso, existem altas chances de comprar algo sem a mínima qualidade. Na indústria de Turismo não é diferente, com empresas oferecendo a viagem dos sonhos a valores risíveis e aplicando golpes em seus clientes. Mas e quando o assunto é venda de hotéis?

Para desmistificar qualquer ideia de que o “barato sai caro”, como diz o jargão popular, a startup de acomodação econômica Zen Rooms, criada em 2015 na Ásia, desembarcou no Brasil. Com um mês de operação, a empresa atua inicialmente em São Paulo e no Rio de Janeiro com 20 propriedades, com presença maior na cidade maravilhosa. Algo como o Airbnb, porém sem casas.

Em entrevista, o executivo responsável pela operação no Brasil, Marcel Santos, destaca que o alvo da Zen Rooms são hotéis e hostels independentes. O diferencial é a auditoria, ou seja, uma equipe de profissionais confere se as unidades atendem aos requisitos necessários para integrar a seleção de quartos.

Foto: Zem / Rooms - Divulgação
Foto: Zen Rooms – Divulgação

Santos pontua que quartos duplos, ar-condicionado, wi-fi, chuveiro no quarto e padrão de limpeza exemplar são necessários para ingressar no inventário. “Dos dez mil hotéis no Brasil, 90% deles são independentes. Ou seja, há muita oportunidade para ‘abocanhar’ esse espaço”, disse ele à reportagem.

E como diferenciar um quarto comum de um da Zen Rooms? Primeiro, a economia gerada em um pernoite é de, no mínimo, 30%, com valores a partir de R$ 140. As habitações recebem almofadas vermelhas com o logotipo da startup e um kit de amenidades exclusivo para o hóspede.

De acordo com ele, a empresa chegou no momento certo no Brasil. Afinal, em tempos de crise, o brasileiro quer viajar pelo País e economizar em hospedagem, mas sem perder a qualidade do produto. Nestes primeiros meses de operação, os Estados do Rio de Janeiro e de São Paulo, não apenas suas capitais, serão os principais pontos de investimento.

Panrotas

Foto: Divulgação