Estreia no Cinépolis Manaíra. Filme reconstitui a história do informante garganta profunda, que levou Richard Nixon à renúncia no escândalo Watergate

Reconstituição minuciosa do histórico escândalo Watergate pelo jornalista investigativo, ex-correspondente de guerra, escritor e cineasta Peter Landesman (de FJK, a história não contada/2013, e um homem entre gigantes/2015), com base no livro de Mark Felt e John D. O’Connor. A participação de William Mark Felt Jr (1913-2008), vice-diretor do FBI, era a peça que faltava para a composição histórica do escândalo Watergate, com as suas motivações para, como o “deep throut”, se tornar o informante que levou um presidente a renunciar ao mandato.

Enredo

EUA, 1972. os jornalistas Bob Woodward e Carl Bernstein, do The Washington Post, revelam, em reportagens investigativas, a invasão do escritório do partido democrata no edifício Watergate por espiões republicanos, envolvendo o presidente Richard Nixon. os jornalistas são orientados por um informante, cognominado de “Garganta Profunda”, cuja identidade só seria revelada em 2015. ele é Mark Felt (Neeson), vice-diretor do FBI.

Cinema de Arte/Cinépolis Manaira Shopping – sala 1
De segunda a sexta-feira – 19h30
Sábados e domingos – 14h

Trailer e mais informações à https://www.youtube.com/watch?v=xghoz9uglus

O filme e o diretor

O diretor Peter Landesman iniciou a carreira como jornalista e correspondente de guerra para a The New York Times Magazine e segue o caminho jornalístico de seus projetos anteriores (como um homem entre gigantes). Mark Felt foi a fonte secreta chamada Garganta Profunda, revelando informações valiosas sobre o escândalo de Watergate à dupla de jornalistas Carl Bernstein e Bob Woodward, do Jornal The Washington Post. A identidade de Felt foi apenas revelada em 2005. em 2008 ele faleceu.

A palavra de Landesman

E eu sabia que o filme seria levado ao escrutínio. Então eu queria ter certeza de que o jornalismo por trás do filme estava realmente correto. O livro de mark não o revela como o deep throat (…). muitas das minhas informações sobre esse homem e o que aconteceu realmente vieram de duas fontes fora do livro. Um era um agente do FBI que Tony Goldwyn interpreta (…). A outra pessoa era uma amiga da família que se tornou a amante de Felt depois que Audrey Felt cometeu suicídio.
Peter Landesman, cineasta

Crítica estrangeira

O diretor e roteirista Peter Landesman representa Mark Felt em tons sombrios que refletem com precisão o conteúdo da história e dos tempos.
Richard Roeper, Chicago Sun-Times

O roteiro, escrito pelo diretor Peter Landesman (…) faz um bom trabalho de condensar uma conspiração extensiva em uma linguagem compreensível.
Matt Singer, Screencrush/EUA

O filme é mais sobre os eventos que resultaram em Felt se tornando o Garganta Profunda do que o seu trabalho como tal. Apesar de não ser o filme definitivo sobre Watergate, ilustra um aspecto do escândalo que a este ponto não tenha obtido ampla atenção pelos cineastas.
James Berardinelli,  Reelviews

Os historiadores provavelmente terão muito a dizer sobre esse filme.
John Defore, the Hollywood reporter