Os amantes do rock vão ter endereço certo para se encontrar em João Pessoa nesta sexta-feira (18) para a comemoração do Dia Mundial do Rock. Cinco bandas de estilos diferentes, mas com personalidade própria e rock pulsante na veia, vão se apresentar na Praça Antenor Navarro, a partir das 19h. São elas: Osorno, Gauche, Soturnus, Hazamat e Zefirina Bomba.

O evento, que deveria ter sido celebrado no domingo (13), data oficial da comemoração internacional, foi transferido para esta sexta (18) em virtude da coincidência com a final da Copa do Mundo de futebol.

Um dos grupos que se apresenta nesse tributo ao rock é o Gauche, formado em 2004. A banda de pop-psicodélico também explora as raízes do folk dos anos 60 e as tendências retroprogressivas atualizadas. No seu balaio de referências estão bandas como Violeta de Outono, Moto Perpétuo, Echo and The Bunymen, Byrds e Mopho.

Em 2010, lançou o EP “Gauche”, época em que também se apresentou no Grito Rock e na Conexão Nordeste. Dois anos depois, mais um EP, “Seja onde For”. Ano passado, a banda gravou o primeiro álbum, “Teatro de Serafins”.

Outra atração do evento é o Soturnus, fundado em 2000, tendo na bagagem duas demos, “Poems of Love… Poems of Pain…” (2001) e “Solitude” (2006), além de dois cd´s, “When Flesh Becomes Spirit” (2008) e “Of Everything That Hurts” (2013). O grupo fez turnê por várias capitais nordestinas e interior, incluindo a participação em alguns festivais, com destaque para edições do “ForCaos”, em Fortaleza (CE).

Gauche
Gauche

Demais grupos – Criada em 2009, o Osorno inspira-se no repertório dos anos 60 aos 90 de bandas consagradas. Os seus referenciais são curiosamente variados, indo dos Beatles e Creedence a Zé Ramalho, Genival Lacerda e Jackson do Pandeiro. Participou de diversos festivais locais.

Já o Hazamat também surgiu em 2009 de um projeto anterior, o Molestrike. Baseados no som dos Beatles, Queen, Engenheiros do Hawaii e de outras bandas pop e do metal, os meninos se aprofundaram no desejo de produzir um som mais maduro e multifacetado, com letras em português sobre personagens e situações do cotidiano.

Encerrando a programação do evento tem Zefirina Bomba, trio que toca rock, mas não tem guitarra na sua formação. Em vez disso, uma viola caipira, baixo e bateria fazem um barulho regional poético, inspirador e sem comparação.

Zefirina
Zefirina

No Zefirina há surf music, punk-rock, vocal gritado, baixo distorcido e sotaque nordestino. As letras misturam histórias pessoais com a poesia de João Cabral de Melo Neto. Formada em 2003, a banda faz um som influenciado tanto pelo rock de Seattle dos anos 90, como por mestres, como Luiz Gonzaga e Jackson do Pandeiro.

História – O Dia Mundial do Rock existe desde 1985, quando foi realizado o concerto Live Aid, em benefício das vítimas da fome na Etiópia. Organizado pelo músico Bob Geldof, o espetáculo teve a participação de vários astros, como Sade, Sting, Phil Collins, Bryan Ferry, U2, Dire Straits, Queen, David Bowie, Who, Elton John e Queen.

Os shows aconteceram simultaneamente em Londres e na Filadélfia, sendo transmitidos para todo o mundo. Desde então, institui-se o dia 13 de julho como Dia do Rock.