Cachorro na pousada Encanto da Bocaina, certificada com selo pet friendly (Foto: Lu Azevedo/Divulgação)

TURISMO PET

Acabou aquela história de viajar e ter que deixar o cãozinho com parentes ou depender da boa vontade de vizinhos para alimentá-lo. Já que os bichos cada vez mais fazem parte da família, nada melhor do que levá-los juntos em pacotes que incluem uma programação especial para eles, não acham?!

Pois bem, hoje vou mostrar pra vocês um segmento do turismo que é ainda novo, mas que promete muito, o Turismo Pet.

Ninguém sabe precisar exatamente quando e como se iniciou a Hotelaria para animais no mundo, mas os indícios levam a crer que tenha surgido há menos de uma década enquanto atividade hoteleira, apesar de alguns médicos veterinários oferecerem o serviço de hospedagem de animais em suas clínicas há mais tempo. Essa atividade foi impulsionada pela necessidade que os donos de animais de estimação têm em hospedá-los durante suas viagens.

Conforme a Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação (Abinpet), em 2014 o segmento pet deve alcançar o faturamento de R$ 16 bilhões, tendo um aumento de 9,2% em relação a 2013. O Brasil é o segundo mercado mundial, perdendo apenas para os Estados Unidos. O Brasil é o quarto país com o maior número de animais de estimação do mundo. Ainda segundo a Abinpet, hoje o país abriga mais de 37,1 milhões de cães, 21,3 milhões de gatos, 26,5 milhões de peixes e 19,1 milhões de aves. Outros animais somam 2,17 milhões, totalizando 106,2 milhões de pets em escala nacional.”

“Atualmente, as pessoas gastam mais com seus animais de estimação, pois existe uma infinidade de opções entre rações, medicamentos, xampus, sabonetes, colônias, roupas, cobertores, casinhas, caminhas, coleiras, produtos de limpeza para o ambiente com animais, petiscos, brinquedos e muito mais”, afirma a médica veterinária Daniele Bento.

O Turismo Pet está mais divulgado e acessível no exterior. No Brasil, hotéis que  antes não aceitavam animais têm olhado com bons olhos para esse segmento, já que existem turistas que fazem questão de levar seus animais em suas viagens.

O cachorro Max em um dos chalés da pousada Encanto da Bocaina (Foto: Lu Azevedo/Divulgação)
O cachorro Max em um dos chalés da pousada Encanto da Bocaina
(Foto: Lu Azevedo/Divulgação)

No Brasil a primeira notícia sobre a exploração hoteleira do segmento pet dá-se no início dos anos de 1990. A proprietária da rede de hotéis Del Valle, serviços voltados aos animais em seus hotéis, iniciou de forma pioneira a oferta de serviços a animais de estimação em seus hotéis em 1992, com um slogan é bem sugestivo da proposta: “Valle Hotel, o melhor amigo do hóspede”. Ainda, segundo ela, os poucos  concorrentes resolveram aderir ao serviço, mas a princípio costumavam criticar esse diferencial:

Com a divulgação de hospedagem para animais, na época da inauguração, recebemos muitas críticas, algumas denúncias infundadas, mas como eu estava preparada e determinada a tentar implantar o serviço, mantive a proposta e a divulgação disto na imprensa.”

É evidente que o crescimento do número de turistas que viajam com seus animais de estimação ou que utilizam meios de hospedagem especializada tem relação direta com o crescimento do número destes e do processo de humanização com o que os mesmos são incorporados como membros da família.

Além da hospedagem, alguns hotéis possuem outros tipos de serviço para os animais como tosa, banho, hidratação, consulta veterinária e salão de estética. Geralmente esses serviços opcionais são oferecidos por meio de parcerias com pet shops da região. Outro ponto importante a ser destacado é que grande parte dos hotéis que aceitam animais não permitem sua livre circulação pelas áreas comuns para evitar problemas com os demais hóspedes.

Como segmento vem crescendo, a cada ano, até um selo “Pet Friendly”, que certifica hotéis que recebem bem os animais foi criado.

A classificação chancela estabelecimentos que aceitam bichos de estimação. Bebedouros, permissão de dormir com dono e receptividade são critérios.

Larissa Rios, criadora do selo, com a sua cachorra Cleo (Foto: Arquivo pessoal)
Larissa Rios, criadora do selo, com a sua cachorra Cleo
(Foto: Arquivo pessoal)

A certificação foi criada no fim de 2012 pelo “Portal Turismo 4 Patas”, que desenvolve conteúdo especializado em viagens com animais de estimação e organiza passeios de ecoturismo para cães e seus donos.

Segundo Larissa Rios, idealizadora do portal e do selo, o “Sistema de Classificação de Meios de Hospedagem Pet Friendly” é o primeiro do tipo no Brasil. “Ele foca na avaliação exclusivamente de serviços e estruturas  voltados para animais de estimação. Não vemos o luxo, a qualidade da roupa de cama, nada que seja restrito aos humanos”, afirma

O hotel ou a pousada que quiserem receber a certificação precisam pagar uma taxa e atender a alguns requisitos, desenvolvidos com a ajuda de viajantes que costumam levar seus animais em viagens.

Entre os critérios estão a presença de lixeiras exclusivas para as fezes dos bichos e de bebedouros com água fresca para os animais, a possibilidade de dormir no quarto com o dono, a existência de convênios com pet shops e veterinários e a receptividade em geral.

“Existe uma grande diferença entre aceitar animais e ser ‘pet friendly’. Tem lugares que aceitam, mas o cachorro tem que andar no colo o tempo todo. Já outros vão além: oferecem kit hospedagem com petiscos, tapete higiênicos e mantinha ou têm espaços para que o dono possa fazer as refeições acompanhado do cachorro, por exemplo”, diz Larissa.

Os requisitos podem ser obrigatórios ou eletivos, dependendo do nível de classificação pretendido pelo estabelecimento: Standard, Premium ou Super Premium. Um avaliador é enviado ao local para checar se todos os serviços são oferecidos.

Se o estabelecimento for aprovado, ele recebe um manual de hospedagem, com orientações sobre raças de cachorros e procedimentos ideais, treinamento especial para os funcionários  e um pacote de divulgação no site Turismo 4 Patas.

O primeiro estabelecimento que foi certificado: é a Pousada Encanto da Bocaina, na Serra da Bocaina, no município de São José do Barreiro (SP).

Lá, os animais podem dormir com os donos nos chalés, ganham kit de boas vindas com osso, bandana e saco para catar dejetos e podem correr livres pela área verde, desde que não incomodem os outros hóspedes.

Mas segundo a proprietária, Luciana Azevedo Martins, há restrições. Os bichos não podem dormir na cama do chalé, e algumas raças, como pit bull, doberman ou pastor alemão, não são aceitas. Os hóspedes recebem um manual com as regras. “É preciso respeitar os outros hóspedes, que vêm à pousada para relaxar”, diz Luciana.

Para Larissa, a opção de hospedagem “pet friendly” no Brasil não é tão ampla quanto em outros países, mas está aumentando. Há cinco anos, no sistema de busca de seu site, havia 300 estabelecimentos que aceitavam animais cadastrados. Hoje, são 1.000.

“Antes muitos lugares até aceitavam bichos, mas não queriam divulgar, porque achavam que poderia afugentar os hóspedes que vão sem animais. Mas agora isso está mudando. Alguns proprietários perceberam que é uma fatia de mercado que está crescendo, e que muita gente deixa de ir a um hotel quando não aceita animais”, afirma.

Na capital paulista existem também hotéis de rede que aceitam hospedar animais junto aos seus donos como o Sofitel São Paulo, hotel que oferece um programa para acolhimento VIP dos animais de estimação, conhecido como Pet Program. Os hóspedes que solicitarem o Pet Program no ato da reserva contam com as suítes executivas do 6º e 7º andares, todas com varandas e em andares intermediários, o que possibilita maior ventilação e conforto. Oferece ainda um kit pet – cama especial, tapete higiênico, comedouro, bebedouro e aperitivo – e um passeio diário no Parque do Ibirapuera, sob a supervisão de um passeador uniformizado.

Blue Tree Berrini Premium, da rede brasileira Blue Tree Hotels, é outro exemplo de estabelecimento que aceita a hospedagem de cães e gatos, sendo permitidos somente animais considerados de pequeno porte, ou seja, com no máximo 10 kg.

Também já é possível por meio de sites de E-comerce como o TripAdvisor e o Booking.com, pesquisar hotéis que aceitam hospedagem com animais de estimação.

Bichos viajam com os donos dentro de ônibus (Foto: Divulgação/Dog Tour Viagens)
Bichos viajam com os donos dentro de ônibus
(Foto: Divulgação/Dog Tour Viagens)

Pra vocês terem uma ideia de como o mercado está em ascensão, existe no Brasil, até agências de turismo especializadas em Turismo Pet, a exemplo da“Dog Tour Viagens”.

Igleide, que mora em Curitiba, conta que montou a Dog Tour Viagens em 2004 para organizar pacotes voltados para cães pela própria dificuldade que tinha em viajar com sua “filha de pelo”, a poodle toy Flavinha.

“Eu estava aposentada e viajava muito nessa época. Ela não ficava sem mim, mas éramos muito humilhadas nos hotéis. Para eu conseguir entrar, enrolava Flavinha em uma manta e dizia que era um bebê”, contou Igleide, que passou algumas situações difíceis. “Ela era muito educada, mas toda hora alguém queria ver o bebê e eu sempre tinha que inventar uma desculpa, dizer que estava dormindo, com catapora.”

 A gota d’água para ela montar sua agência foi quando um hotel em São Joaquim (SC) a colocou para dormir em um quarto na área de serviço.

“Minhas viagens se tornaram um estresse na hora de entrar e sair dos hotéis. Só tinha experiências negativas e resolvi batalhar para que isso mudasse aqui no Brasil. Eu morei na Europa e lá as coisas eram muito diferentes”, diz.

Atualmente, Igleide possui o cadastro de 900 estabelecimentos em todo o Brasil que aceitam donos e animais. Ela inclusive montou um guia de turismo, chamado Guia Quatro Patas – Dog Tour.

Além do pacote do carnaval, a agência prepara outros pacotes temáticos, inclusive para Natal e Ano Novo. “O grupo viaja para hotéis onde não há queima de fogos, para evitar o sofrimento dos bichinhos”, afirma Igleide.

Mais informações sobre pacotes:

Dog Tour Viagens
Av. República Argentina, 900, lj. 22
Tel: (41) 3079-6394 / 3078-6393

Pet Center Marginal
Marginal Tietê
Av. Pres. Castelo Branco, 1795 – São Paulo/SP
Tel: (11) 2797-7400

Cuidados para viajar com seu animal de estimação

Além dos benefícios de viajar juntos aos pets e cuidados na hospedagem, os donos precisam estar alertas ao transporte. Caixas e cinto de seguranças especiais, além de coleiras e placas de identificação com o nome do animal e telefone do proprietário, são itens essenciais. Também se deve levar a ração, kit de primeiros socorros, saquinhos para recolher dejetos, tapete higiênico ou jornal (para aqueles que usam), manta, brinquedos e roupas. Tudo para que o pet se sinta acolhido no “novo” local.

Durante a viagem é aconselhado paradas a cada duas ou três horas para se exercitar e fazer as necessidades, além de um recipiente com água. É bom evitar horários de muito calor ou trânsito, e alimentar o animal antes da viagem.

O animal deve estar vacinado por um veterinário com as vacinas V10 ou V8 e a vacina da raiva. É bom levar a carteirinha na viagem. Se for viagem em companhia aérea, será exigida a carteirinha com essas vacinas atualizadas e atestado de saúde feito por um veterinário, portanto, não é bom deixar para última hora.

Para o litoral, deve-se usar vermífugo específico para o verme do coração com o mínimo de duas semanas antes da viagem e, em qualquer situação, os animais devem estar usando algum medicamento para evitar pulgas e carrapatos.

Nas viagens internacionais, a orientação é consultar o consulado do país escolhido, já que cada um possui exigências variadas, como vacinas, atestado de saúde, documentos do animal com pedigree (se tiver), guia de transporte animal com um veterinário, entre outras exigências feitas pela companhia aérea escolhida.

Como vocês puderam notar, o Turismo Pet é um segmento em ascensão no mundo e no Brasil. O mercado pet é um segmento atraente, lucrativo e promissor não só para aqueles que já atuam neste nicho, mas, principalmente, para profissionais das áreas de Hotelaria e Turismo.

E aí, quem se habilita a montar uma agência voltada para o segmento do Turismo Pet?!

By Alessandra Lontra

Fotos: Reprodução

Artigo anteriorSPTuris vai lançar roteiro turístico voltado para os ‘geeks’
Próximo artigoConfirmado: Joss Stone faz show no Recife em 2015
Alessandra Lontra
É formada em Marketing Estratégico, em Produção de eventos pela COMUNIK DO BRASIL, em Educação Fiscal pela Escola de Administração Fazendária e em Gestão Cultural para os Pontos de Cultura pela COMUNA S/A e MinC. Atua na área do Turismo há mais de 35 anos, tendo iniciado sua carreira na hotelaria. Trabalhou em agências e Operadoras de Turismo como Gerente Comercial, tendo desenvolvido diversos produtos. Atuou como interlocutora/coordenadora/ representante do Nordeste do Grupo Gestor de João Pessoa dos "65 Destinos Indutores do Desenvolvimento Turístico Regional", projeto Federal do Ministério do Turismo com apoio do SEBRAE Nacional, Instituto Marca Brasil e Fundação Getúlio Vargas. Foi Diretora Cultural do Instituto Brasileiro de Formação Educacional e Cultural de Brasília, DF - IBRAFEC, foi diretora Comercial da Bora Ali Produções, Marketing, Consultoria & Eventos. Atualmente é diretora de Marketing do site e revista "O Concierge" e escreve neste Blog .