“Cada vez mais, a Embratur tem inserido aspectos culturais dos estados brasileiros no mercado internacional”, disse Vicente Neto, presidente da Embratur

 

O presidente da Embratur (Instituto Brasileiro de Turismo), Vicente Neto, recebeu ontem (08), o presidente da Fundação Municipal de Ação Cultural (FMAC), de Maceió, Vinicius Palmeira, para prospectar as potencialidades turísticas da capital alagoana. Na reunião, foram discutidas possibilidades de novas ações em parceria com o Instituto para inserir o estado cada vez mais na rota internacional.

“Vinícius trouxe-nos uma proposta da participação do Brasil no festival Luminara di Santa Croce, que acontece na cidade de Lucca, na Itália, em setembro desse ano. Podemos trabalhar ainda mais os atrativos culturais e naturais da cidade de Maceió”, disse Neto.

De acordo com o presidente da Embratur, a existência do EBT (Escritório Brasileiro de Turismo) na Itália, que atua para promover o Brasil naquele país, é um facilitador para a realização de ações mais específicas. “Podemos acompanhar as iniciativas mais de perto e fazer as devidas análises de mercado”, disse.

 “A nossa participação nesse festival é muito importante para promover a cultura brasileira, especialmente à de Maceió. Atraindo a atenção não só para o turismo na cidade, mas também para atividade econômica. Uma grande aproximação e abertura de mercado da capital alagoana para a Europa”, declarou o presidente da FMAC.

“Comprometemo-nos a estudar todos os mecanismos de apoio a essa importante iniciativa de irmandade com a cidade italiana no sentido de buscarmos não só ações de relação pública, mas também ações de divulgação da cultura brasileira e incentivo ao turismo no nosso país”, completou Vicente Neto.

Relação de Maceió com Lucca

 Maceió tem forte ligação com a cidade de Lucca, na Toscana italiana. Um de seus filhos, Luigi Lucarini (1842-1907), foi o arquiteto que planejou grandes patrimônios de Alagoas, na virada do século XIX para o século XX. “Esse mestre foi o responsável por mudar a ‘cara’ da cidade, de uma vila para uma cidade capital. Monumentos e ruas compõem uma beleza arquitetônica única que modernizaram Maceió e que guardam a história do estado”, explicou Palmeira.

O arquiteto italiano construiu o Teatro Deodoro, considerado sua obra prima, o Palácio Floriano Peixoto, sede do governo estadual, o Palácio da Intendência, que foi sede do governo municipal, o Tribunal de Justiça e a Santa de Misericórdia, em Maceió. Lucarini casou-se com uma alagoana e escolheu a capital como cidade domicílio, onde trabalhou e criou seus filhos. Uma relação cultural que se estreitou em um pacto de amizade com a cidade italiana de Lucca.

Maceió recebeu, por meio desse tratado, o convite para participar do festival Luminara di Santa Croce que reúne mundialmente a associaçãoLucchesi nel Mondo. A festa acontece em setembro desse ano, em Lucca. O evento une a tradição religiosa, secular e artística para comemorar a ação dos seus filhos no mundo, dado o contingente de pessoas que emigraram e fizeram história em outros países. Só no Brasil, 600 mil são descendentes Lucchesis.    Assessoria de Imprensa