Aeroporto Internacional de Recife

O aeroporto internacional de Guarulhos, em São Paulo, o maior do país e um dos seisadministrados por concessionária privada, voltou a receber a pior avaliação dos passageiros consultados na nova pesquisa trimestral feita pela Secretaria de Aviação Civil (SAC) e que foi divulgada nesta sexta-feira (31).

Em uma escala de 1 a 5, sendo 1 a pior e 5 a melhor nota, Guarulhos recebeu média de 3,46, a mais baixa entre os 15 aeroportos nacionais avaliados na pesquisa. Administrado pela concessionária GRU, Guarulhos já havia ficado em último lugar em pelo menos duas pesquisas anteriores, divulgadas pela SAC em fevereiro e agosto de 2014.

Em nota, o Aeroporto Internacional de São Paulo (GRU) informou que “passa pelo maior processo de transformação desde o início das operações, em 1985. Desde que a Concessionária assumiu a gestão integral dos terminais de Guarulhos, em fevereiro de 2013, uma série de obras foram realizadas, visando a melhoria dos serviços e o aumento da eficiência operacional”.

A avaliação foi feita entre os meses de julho e setembro e ouviu 16.769 passageiros, que deram aos 15 aeroportos nota média de 3,90, também em uma escala de 1 a 5. A melhor avaliação ficou, desta vez, com o aeroporto de Recife (4,24), seguido por Brasília (4,20, também administrado por concessionária privada) e Curitiba (4,19).

Além de Guarulhos, também ficaram entre os três aeroportos mais mal avaliados Confins, em Minas Gerais, que também está sob controle privado (3,71), e Cuiabá (3,64).

De acordo com a SAC, entre as pessoas ouvidas para a pesquisa, 63% viajavam a lazer, 29% a negócios e 8% por outras razões. A maior parte dos entrevistados (54%) tem idade entre 26 e 45 anos. A essas pessoas foi pedido que dessem nota de 1 a 5 para 46 indicadores, entre eles atendimento e cordialidade dos funcionários do check-in, rigor na inspeção de segurança, tempo de espera na fila de check-in eletrônico, limpeza geral, limpeza dos banheiros, integridade das bagagens após restituição e custo de estacionamento.

A cordialidade dos funcionários do check-in e daqueles que atuam na área de emigração dos aeroportos foram os dois indicadores que receberam as melhores notas: 4,50. Em seguida, vieram a eficiência dos funcionários de check-in, limpeza geral dos aeroportos e tempo de espera para o autoatendimento de check-in, todos com 4,47.

Receberam as notas mais baixas o transporte público utilizado pelos passageiros (2,69), o custo do estacionamento para veículos (2,54) e valor dos produtos em lanchonetes e restaurantes dentros desses aeroportos (2,53).

Fonte: DT

Foto: Reprodução