Durante toda a minha infância em Patos/PB, fui alimentada com arroz da terra ( arroz vermelho ). Além do Baião de Dois, eu  me deliciava com Arroz de Leite com Carne de Sol assada na brasa, hummmm. . . lembranças gustativas da infância com sabor de mãe. As lembranças gustativas, foram a base para o prato, Arroz de nata com carne de charque  desfiada e acebolada que descrevo abaixo.

Nutritivo e benéfico, Arroz Vermelho ajuda na redução do nível de colesterol.
Apesar de altamente nutritivo e benéfico para saúde, o arroz vermelho ainda é pouco valorizado pela população, visto que, não faz parte da mesa do paraibano, foi substituído pelo arroz branco. O grão foi trazido ao Brasil pelos portugueses, plantado no Maranhão e radicado na Paraíba no Vale do Piancó, onde faz parte da culinária local.
“O arroz vermelho foi trazido pelos portugueses em 1535, por meio da capitania de Ilhéus, na Bahia. Foi o primeiro tipo de arroz a chegar ao Brasil. O arroz branco só chegou em 1765, principalmente pelo Maranhão”, afirma o pesquisador da Embrapa, José Almeida Pereira, autor da obra “O arroz vermelho cultivado no Brasil”.
A Paraíba é atualmente o maior produtor do grão, que é cultivado em Santana dos Garrotes, município do Vale do Piancó. Somente em 2010, de acordo com a Associação dos Pequenos Produtores de Arroz Vermelho do município, foram produzidos mais de um milhão de toneladas do alimento. Mas, a produção ainda apresenta sistemas precários.
Na sua composição encontra-se a monocolina, substância que pode auxiliar na redução do nível de colesterol ruim no sangue. Monocolina é uma estatina natural ( contida no alimento). O fármaco estatina, é utilizado para tratar as dislipidemias ( gorduras no sangue). Algumas substâncias do arroz ainda auxiliam na circulação sanguínea, na digestão e nas funções intestinais. “Além disso, a qualidade do arroz vermelho é melhor, por ser integral e saudável”, esse arroz também possui mais vantagens que o branco: possui três vezes mais ferro e duas vezes mais zinco. É ideal para gestantes, lactantes e crianças. O alimento é altamente saboroso e consumido por todas as classes sociais nordestinas. O mercado é muito grande e a produção muito pequena.
Apesar de suas vantagens, o arroz sofre um processo de extinção. A forte concorrência da indústria do arroz branco e o acelerado êxodo rural são algumas razões. O preparo pode ser feito de maneira tradicional, variando nos temperos.

Receita
O baião de dois é um dos principais pratos feitos com o arroz vermelho. Confira a receita:
Ingredientes:
½ quilo de arroz vermelho
400 gramas de feijão de corda
200 gramas de toucinho ou bacon
1 linguiça
3 dentes de alho
1 cebola média ralada
½ xícara de leite
150 gramas de queijo coalho em cubos
200g colheres de queijo de coalho em cubos
Cheiro verde a gosto
Modo de preparo:
Primeiro frite o toucinho/bacon, junte a linguiça e deixe dourar. Acrescente a cebola, o alho e o arroz. Refogue bem. Para facilitar, o feijão já deve estar cozido quando for colocar os ingredientes já refogados. Acrescente água quente, o cheiro verde e o leite. O segredo é prestar atenção no cozimento, o arroz tem que ficar macio e a água secar toda. Já no final, coloque na panela o queijo coalho em cubos. É hora de misturar mais uma vez e tampar a panela. Na hora de servir, coloque o queijo ralado.
A referida sofreu modificações ao longo do tempo, inicialmente, era só feijão,arroz e o toucinho, ingredientes como toucinho foi trocado pelo bacon, e outros acrescentados. Hoje, temos o Rubacão que tem muitos ingredientes agregados a receita conferindo-lhe um sabor especial.

Nos tempos de geoweb, a qualidade da comunicação transpõe barreiras e acrescenta informações. Gera troca de conhecimentos e valorização da cultura como forma de disseminação do saber do povo em todos os aspectos.
Eis o comentário na íntegra do internauta Nelson, sobre nosso texto: Arroz da Terra nas Quintas Gastronômicas publicado no blog aparaibatem:
Bela iniciativa,
Nossa cultura deve ser sempre nosso foco. Gostaria de colocar uma colher nesta história. O arroz vermelho chegou ao Brasil também pela mão do negro. Aliás, este arroz é chamado de oryza glaberrima, pois é originário da África. Os negros trouxeram as sementes escondidas nos cabelos das mulheres negras. A sua proibição em 1739 pela Coroa Portuguesa punia com 1 ano de prisão para os Portugueses e dois anos para os negros! Porém a semente foi cultivada nos quilombos num ato de resistência e identidade cultural. Aqui no sul estamos cultivando este arroz em oito comunidades quilombolas. Temos produção para distribuir para outros quilombos e um pouco para comercialização. Abraço, Nelson.

O Nelson, além da contribuição acima, nos enviou um artigo- por nossa solicitação, que referendava a sua afirmação:
Segundo, Carney e Marin (2004), pesquisas vêm fornecendo indícios que o arroz não é originário só da Ásia, que a espécie Oryza glamberrima, domesticada e cultivada há milênios na África ocidental e de que escravos trazidos desta região tiveram papel fundamental na sua propagação no Novo Mundo.
A memória cultural das quilombolas é a grande responsável por esta comprovação, tanto no Suriname , Guiana Francesa quanto no Brasil.Nessas lendas, a mulher africana traz os grãos nos seus cabelos e os escravos são os responsáveis pela introdução do cultivo.
Relata ainda Carney e Marin, que no Pará, na comunidade de Itancoã ( município de Acará, perto de Belém), uma mulher de 87 anos, narrou de forma quase idêntica a outra quilombola de Itapecuru Mirin /MA a seguinte história: “ uma mulher da África vê seus dois filhos serem vendidos por um traficante e, prevenida, coloca na cabeça das crianças sementes de arroz. Estas sementes foram descobertas pelo “branco”que comprou as crianças já no Brasil, quando começou a mexer nos cabelos dos meninos”, e daí ocorreu a introdução do arroz vermelho/da terra no Brasil.

Este relato, demonstra a importância do discurso oral nas pesquisas, como também a valorização do mesmo na gastronomia brasileira como produto de densidade cultural.
Os registros fragmentados são fontes para reescrever a história gastronômica e cultural brasileira e em particular, a paraibana já que temos na Paraíba a Fortaleza do Arroz Vermelho.
A Fortaleza do Arroz Vermelho foi estabelecida em cooperação com a Associação dos Pequenos Produtores de Arroz Vermelho de Santana dos Garrotes. A área de produção compreende, Território do Vale do Piancó e o Município de Santana dos Garrotes( SLOW FOOD, 2008).

CARNEY,J.A e MARIN,R.A.Saberes Agrícolas dos Africanos no Novo Mundo. Ciência Hoje, vol.35,n° 205, jun/2004.p.26-33

Fonte:
http://aparaibatem.blogspot.com/search/label/ARROZ%20VERMELHO%20BIODIN%C3%82MICO
http://www.catingueiraonline.com/2011/08/arroz-vermelho-do-vale-do-pianco-vira.html

Texto: Profª Ms Linda Susan de Almeida Araújo, degustando arroz da terra/vermelho
Foto: Reprodução